Exército sírio mata 17, sendo 10 mulheres e três crianças, em Deraa

Bombardeios indiscriminados das tropas do regime de Bashar-al Assad começaram depois da oração noturna e afetaram também localidades próximas como Ebtaa e Herak

EFE,

09 de junho de 2012 | 06h04

CAIRO - Pelo menos 17 pessoas - entre elas dez mulheres e três crianças - morreram na cidade síria de Deraa durante uma ofensiva lançada pelas forças de segurança que começou na noite de sexta-feira, 8, e se prolongou até a madrugada de hoje, 9, informaram os grupos opositores.

 

Os bombardeios indiscriminados das tropas do regime de Bashar-al Assad começaram depois da oração noturna e afetaram Deraa e localidades próximas como Ebtaa e Herak. O opositor Observatório Sírio de Direitos Humanos denunciou em comunicado que entre as vítimas há dez mulheres e três crianças, enquanto a Comissão Geral da Revolução Síria assinalou que oito dos falecidos pertenciam à família Al Dalu.

 

A situação médica é crítica, uma vez que o pouco material de primeiros socorros não é suficiente para tratar as dezenas de feridos, muitos dos quais são atendidos em improvisados hospitais de campanha levantados no interior das mesquitas. Além disso, as forças de segurança detiveram alguns dos feridos e vários médicos, como uma maneira de evitar que as vítimas recebessem tratamento, denuncia o Observatório.

 

Deraa, cidade próxima à Jordânia, foi o ponto de partida da revolta contra Assad, em março de 2011, e a primeira a sofrer a repressão das forças governamentais. Essa ofensiva se soma aos bombardeios lançados ontem também contra Homs, Idlib e a periferia de Damasco, que deixaram pelo menos 50 vítimas, segundo os dados da oposição.

 

A violência recrudesceu na Síria desde o massacre de Houla, perpetrado em 25 de maio, que levou os rebeldes no interior do país a romper seu compromisso com o cessar-fogo posto em vigor em 12 de abril. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) anunciou ontem que 1,5 milhão de civis necessitam de ajuda humanitária na Síria, e qualificou a situação como "muito tensa" devido aos combates.

Tudo o que sabemos sobre:
Bashar-al AssadSíriamassacre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.