Exército sírio se aproxima da cidade rebelde de Alepo

A retomada de Alepo, maior cidade síria, também poderia abastecer o grupo de militantes iraquiano Estado Islâmico com rebeldes derrotados que resolvessem se unir a eles

Estadão Conteúdo

12 de agosto de 2014 | 16h09

As forças de segurança do governo sírio avançam em direção a Alepo nesta terça-feira com o objetivo de cercar a cidade, controlada pelos rebeldes, no que seria o maior ataque dos três anos do levante. A retomada de Alepo, maior cidade síria, também poderia abastecer o grupo de militantes iraquiano Estado Islâmico com rebeldes derrotados que resolvessem se unir a eles.

Os comandantes rebeldes em Alepo afirmam que o grupo começou a estocar bens na medida em que organizações voluntárias enviam alimentos, em uma tentativa de evitar a repetição da crise de fome que forçou-os a se renderem na cidade de Homs, em maio. A perda do controle de Homs, chamada de capital da revolução, foi um tremendo golpe para os insurgentes. Se eles perderem também a posse de Alepo, a revolta contra o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, poderá se dispersar, alertam comandantes do grupo

As forças do regime de Assad já cercam a maior parte de Alepo e tentam bloquear o ponto de acesso dos rebeldes, no noroeste da cidade. Enquanto isso, jihadistas do Estado Islâmico (antigo Estado Islâmico do Iraque e do Levante) se aproximam pelo norte e forçam os rebeldes a se retirarem dos arredores da cidade.

"Olhando para os próximos seis meses ou um ano, o impacto final da perda de Alepo seria o definhamento da principal corrente da oposição", explica o analista do International Crisis Group, Noah Bonsey. "Alguns rebeldes podem até desistir e tentarem ajustar-se ao regime, ou mesmo se unirem à única força de luta que sobrou, o Estado Islâmico."

O regime de Assad e as forças do Estado Islâmico têm entrado em conflitos pelo controle de territórios e recursos, apesar desses combates serem relativamente raros. Analistas do Ocidente acreditam que o governo sírio pode estar evitando confrontos com o grupo para que os extremistas continuem a enfraquecer os rebeldes. Se vencer o combate em Alepo, a Síria terá sua atenção toda voltada para os jihadistas. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.