Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Exército suspende constituição e declara lei marcial na Tailândia

O Exército tailandês deu um golpe de Estado contra o governo do primeiro-ministro, Thaksin Shinawatra, na noite desta terça-feira (horário local), invadindo com tropas a sede do governo e outros prédios oficiais. Em seguida, o conselho que agrupa os golpistas suspendeu a Constituição de 1997, o parlamento, o governo e o tribunal constitucional. Tanques tomaram posições em vários pontos da capital do país.Horas após a divulgação das primeiras notícias sobre o golpe, a televisão nacional tailandesa anunciou a lei marcial, firmada pelo comandante-chefe do Exército, general Sondhi Boonyaratkalin. Segundo o comunicado, todos os militares devem se incorporar às unidades de Boonyaratkalin e não devem abandonar os postos sem a permissão explícita dos comandantes."O comandante das Forças Armadas e o comandante da polícia nacional tomaram com sucesso Bangcoc e áreas próximas a fim de manter a paz e a ordem. Não houve violência", diz o anúncio. "Pedimos a cooperação do público e perdão pelos inconvenientes".A nota também traz justificativas para o golpe. "Houve uma divisão social como nunca antes. Cada parte tentou conquistar a outra usando todos os meios possíveis e a situação tende a piorar por causa das dúvidas sobre o envolvimento da Administração em casos de corrupção", afirma o comunicado."As unidades do Estado e as organizações independentes foram politicamente incapazes de prestar seus serviços como especifica a Constituição", acrescenta o texto.As forças golpistas, autodenominadas "Conselho da Reforma Administrativa", declararam-se leais ao rei, Bhumibol Adulyadej. Segundo um alto oficial, chefes das forças armadas se encontraram com o rei minutos após decretarem o golpe, para discutir a formação do governo interino. Mais tarde, um porta-voz militar anunciou que o general Sondhi Boonyaratkalin assumiria interinamente o cargo de primeiro-ministro.O primeiro-ministro deposto, Thaksin Shinawatra, estava em Nova York, para a Assembléia-Geral das Nações Unidas. Ele chegou a aparecer na tevê tailandesa, decretando estado de emergência no país e dizendo que havia afastado o comandante do Exército. Shinawatra, um multimilionário empresário das telecomunicações, chegou ao poder em 2001 e foi reeleito em 2005. Shinawatra enfrentou protestos no início do ano por acusações de corrupção. Em abril, o partido dele, o Thai Rak Thai, ganhou as eleições parlamentares, boicotadas pela oposição. Também em abril, Shinawatra foi reconfirmado no cargo, mas posteriormente essa eleição foi anulada pela corte do país. O premier tem grande apoio nas áreas rurais da Tailândia. A elite do país, porém, retirou o apoio a ele, acusando-o de subverter o mandato ao colocar aliados em várias agências do governo e pressionar a mídia e grupos civis.Ligação com a família realO general Boonyaratkalin, por sua vez, um muçulmano no país de maioria budista, é conhecido por sua proximidade com o venerado rei constitucional da Tailândia.O porta-voz do Exército, coronel Akara Chitroj, disse a repórteres que o vice-premier, Chitchai Wannasathit, foi afastado de seu posto. "O governo não mais administra o país", decretou. "Acho que Shinawatra não voltará à Tailândia por enquanto", disse, sem explicar o que poderia ocorrer caso o premier tente retornar ao país.Segundo o general aposentado Prapart Sakuntanak, o golpe seria temporário e o poder seria "devolvido ao povo" em breve. Em declaração a todas os canais de TV do país, ele disse que as forças golpistas estabeleceriam um grupo para decidir sobre reformas políticas no país.O golpe - aparentemente sem derramamento de sangue - foi a primeira intervenção dos militares na política da Tailândia desde 1992, quando uma tentativa do primeiro-ministro Suchinda Kraprayoon, um general, de se manter no poder provocou manifestações de rua e a deposição de Suchinda.Depois do incidente, os militares prometeram permanecer nas casernas, ao contrário de décadas anteriores quando golpes militares eram uma constante na política tailandesa.Texto e título atualizados às 17h15

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.