Felipe Corazza/ESTADAO
Felipe Corazza/ESTADAO

Êxodo de venezuelanos já é tratado em Roraima como crise humanitária

Estado reluta em decretar oficialmente a emergência para evitar a criação de centros de triagem, abrigos e de atendimento à saúde, como ocorreu no Acre, em 2013; estima-se que mais de 30 mil atravessaram a fronteira nos últimos meses 

Felipe Corazza Enviado Especial / Pacaraima, Roraima, O Estado de S. Paulo

12 Outubro 2016 | 05h00

Enquanto cerca de 30 mil venezuelanos já atravessaram a fronteira seca de Roraima para se refugiar no Brasil da grave crise que afeta o país vizinho, a fila para conseguir análise de um pedido oficial de documentação já ultrapassa um ano. Entrevistas dos cidadãos da Venezuela que pretendem se estabelecer no País com status de refugiado estão sendo marcadas para o início de 2018.

As solicitações para permanência no Brasil como refugiado de venezuelanos que entraram no território brasileiro por Roraima já superaram as 900 apenas no primeiro semestre deste ano, segundo autoridades de Boa Vista, capital do Estado. No mesmo período do ano passado, o número foi de 320. Os números não levam em conta as centenas que chegam sem fazer o pedido formal de refúgio ou permanência regular.

“Já é uma crise humanitária”, afirmou ao Estado, sob condição de anonimato, um dos responsáveis pela articulação da Defesa Civil entre a capital e a cidade fronteiriça, Pacaraima. A fila para regularização de documentos na superintendência da Polícia Federal começa a se formar já de madrugada.

A decretação oficial do estado de emergência é o mesmo mecanismo que o Acre usou em 2013, em razão do êxodo dos haitianos para o Brasil. Isso obrigaria o governo federal a ajudar o Estado a criar abrigos, centros de triagem e atendimento à saúde, entre outras medidas de assistência. Além disso, o governo federal poderia designar destinos diferentes dentro do país para as pessoas que conseguissem o status de refugiado.

O Acre decretou a emergência ante a chegada de 7,7 mil haitianos. Em Roraima estima-se que já sejam mais de 30 mil os venezuelanos que atravessaram a fronteira. O Estado apurou que o governo de Roraima reluta em decretar oficialmente a emergência por crer que a criação de estruturas formais para acolher os venezuelanos causaria um grande aumento no fluxo.

A jornada dos venezuelanos pelo território de Roraima começa por Pacaraima, município limítrofe que, no Censo de 2010, registrava apenas 11 mil habitantes. Ali, após transporem o posto policial de saída da Venezuela, dezenas de pessoas por dia solicitam à PF brasileira uma permissão especial para chegar a Boa Vista. A viagem, de pouco mais de duas horas, é feita em táxis ou de carona.

Escassez. Na cidade de fronteira, o fluxo também é intenso, apesar de ser majoritariamente um movimento de venezuelanos que pretendem regressar a seu país. Nas lojas, pacotes e mais pacotes de arroz, açúcar, sabonetes, papel higiênico e outros itens básicos são oferecidos com preços já marcados em bolívares, a moeda da Venezuela. 

A falta de produtos essenciais se agravou sob o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, resultado de um descontrole cambial, da dependência venezuelana de importações e da queda drástica nos preços do petróleo, produto quase exclusivo de exportação do país. Com isso, caminhões, vans e veículos comuns circulam por Pacaraima carregados de produtos. Para abastecer o comércio loca, cerca de 15 carretas de alimentos chegam diariamente à cidade.

O caminhoneiro Ederval Moreira, de 40 anos, descarregava em Pacaraima uma carga de 30 toneladas de arroz que trouxe de Manaus. Enquanto recarregava o ar comprimido da suspensão do veículo, reclamava da fome. Segundo ele, com as vendas majoritariamente para “bolivianos” (venezuelanos), os armazéns estão ficando sem cédulas de real para pagar pelos fretes. “Eu recebo de qualquer jeito, porque eles fazem a transferência (eletrônica) depois, mas agora fiquei sem dinheiro pro almoço. No caixa eletrônico também não tem mais real.”

O mecânico que oferece o serviço de recarga, “Seu Gogó”, também reclama. Ele vive em Pacaraima há 30 anos e diz que o aumento do fluxo de venezuelanos aumentou os preços de produtos essenciais. “O quilo de arroz está R$ 4,00. Um ano atrás, eu pagava R$ 2,80. Tá difícil.”

Os setores públicos de Roraima responsáveis por atender situações de emergência buscam maneiras de contornar a situação, mas esbarram na falta de recursos. Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros e também da Defesa Civil, coronel Edvaldo Amaral, sem uma coordenação com o governo venezuelano, não haverá solução e a tendência é de agravamento. Segundo ele, a Defesa Civil está de “braços engessados” na tentativa de controlar a crise. “O Estado de Roraima não quer abrir mão de sua responsabilidade, mas é preciso coordenação entre Brasília e Caracas para fazer o controle fronteiriço, o cadastro e organizar o abrigo para essas pessoas”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.