Experiência de Biden será crucial na luta contra lobby

Vice-presidente tem histórico de hostilidades contra NRA e prática em formular leis para restringir venda de armas

PETER BAKER, THE NEW YORK TIMES , WASHINGTON , O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2012 | 02h03

Durante um debate nas primárias democratas de 2007, Joe Biden, então pré-candidato e senador por Delaware, não se conteve quando um eleitor, ao falar do direito de ter uma arma, gravou um vídeo em que exibia um fuzil semiautomático e dizia: "Este é o meu bebê". Imediatamente, Biden balançou a cabeça e disparou: "Se esse é o seu bebê, você precisa de ajuda", disse.

O comentário seco e direto mostrou o quanto os EUA estão polarizados sobre a questão e como é fácil comprar legalmente uma arma semiautomática no país, mesmo com uma lei, elaborada por Biden, que proíbem a venda desse tipo de armamento.

Cinco anos depois, o mesmo tipo de arma, um fuzil automático, entrou no centro da discussão sobre o controle de armas após ter sido usado no massacre de uma escola primária em Newton, em Connecticut, no início do mês. Para Biden, agora vice-presidente dos EUA, o caso oferece uma segunda chance de criar uma lei mais eficaz.

A intenção do presidente Barack Obama de elaborar uma legislação mais dura não poderia encontrar uma pessoa mais qualificada do que Biden para a tarefa. O vice-presidente, que possui duas pistolas, traz décadas de experiência de lutas contra a Associação Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês).

"Basicamente, ele tem feito isso pelos últimos 30 anos", disse o ex-senador Ted Kaufman, amigo de Biden. "Realmente, eu acredito que não exista ninguém nos EUA mais capaz do que ele para deixar essa lei pronta até o prazo estabelecido por Obama (15 de janeiro)."

A NRA considera Biden um interlocutor intransigente e com pouca capacidade de negociação. "Ele é uma pessoa bombástica e realmente acha que todos os que discordam de suas opiniões não só estão errados como são loucos", afirmou David Keene, presidente da NRA. "Este é o seu estilo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.