Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Explicações da Nicarágua sobre morte de brasileira são 'insuficientes', diz Aloysio

Chanceler brasileiro disse que governo de Daniel Ortega ainda não informou a Brasília quem teria sido o autor do disparo, o calibre da arma e as circunstâncias em que a estudante de medicina Raynéia Gabrielle Lima foi morta na segunda-feira

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2018 | 14h52

JOHANNESBURGO - O Brasil considerou "extremamente insuficientes" as informações dadas pela Nicarágua sobre a morte a tiros da estudante universitária Raynéia Gabrielle Lima em meio aos protestos contra o presidente Daniel Ortega, afirmou nesta sexta-feira, 27, o chanceler Aloysio Nunes Ferreira.

Depois da morte de Raynéia, estudante de medicina de 32 anos, na segunda-feira, Brasília convocou a embaixadora nicaraguense no País para receber informações sobre o caso e, pouco depois, chamou para consultar seu embaixador em Manágua. Na quinta-feira, o presidente Michel Temer afirmou que o Brasil não pode admitir morte da estudante sem tomar providências.

"As informações entregues até agora são extremamente insuficientes. A informação repassada pelo governo da Nicarágua é que (o autor do disparo) foi um segurança privado", disse Nunes à estatal Agência Brasil em Johannesburgo, onde ele participou de uma cúpula das potências emergentes Brics.

"Quem foi (que atirou)? Qual foi o calibre da arma? Em que circunstâncias ocorreu? Não houve até o momento um esclarecimento deste episódio e vamos insistir, porque nos parece um assunto absolutamente inaceitável", enfatizou o diplomata.

Raynéia, que estava no último ano do curso de medicina, foi baleada quando dirigia seu carro no sudoeste de Manágua por volta da meia noite de segunda-feira, segundo informações do reitor da Universidade Americana (UMA) de Manágua, Ernesto Medina, onde ela estudava.

Segundo testemunhas, os diparos contra o veículo da jovem foram feitos por paramilitares. Ela foi levada ao hospital, mas morreu durante a madrugada em decorrência de "ferimentos fatais", ainda segundo Medina.

O chanceler brasileiro reiterou o rechaço do Brasil ao abuso das forças de segurança e de grupos paramilitares que apoiam o governo para reprimir os protestos contra Ortega, que deixaram mais de 300 mortos desde abril. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.