Explode bomba em caixa automático na Argentina

Um explosivo de baixa potência foi detonado durante a madrugada desta terça-feira no caixa automático de um banco em Buenos Aires, provocando danos materiais, mas não vítimas. O episódio ocorreu em meio a um clima de intranqüilidade devido a rumores de possíveis distúrbios, ao completar-se o primeiro aniversário da queda do governo de Fernando de la Rúa, no próximo dia 20.Segundo a polícia, a bomba foi colocada em uma agência do Banco Sudameris no bairro de Villa Crespo, a poucos quarteirões de onde explodiu, na semana passada, uma bomba similar no edifício da empresa de eletricidade Edenor, também sem causar feridos. Das ações do Sudameris, 20% pertencem ao Banco Comercial Italiano e o resto, a entidades argentinas. Junto ao caixa eletrônico havia uma inscrição que dizia "20 de dezembro" e a assinatura "IKL", cujo significado se desconhece. Aparentemente se referia ao primeiro aniversário da queda do governo de De la Rúa, ocorrido em 20 de dezembro de 2001, após intensas manifestações populares em protesto contra a política econômica, tida como neoliberal. Organizações de piqueteiros - como são chamados na Argentina os desempregados que bloqueiam estradas e pontes para exigir alimentação e trabalho - iniciaram hoje marchas a partir de várias províncias em direção a Buenos Aires, aonde chegarão em 20 de dezembro, sob o lema "Vão embora todos (os dirigentes políticos)". Embora os piqueteiros assegurem que desejam que as marchas de sexta-feira 20 se desenrolem pacificamente, os meios de comunicação citaram rumores sobre a possibilidade de que ocorram saques ao comércio e graves distúrbios. Alguns piqueteiros denunciaram que peronistas do setor liderado por Carlos Menem lhes ofereceram dinheiro para que promovam saques na sexta-feira. O governo do presidente Eduardo Duhalde reiterou que não acredita na ocorrência de tais distúrbios, mas disse que está tomando medidas preventivas de segurança para o dia 20.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.