Explosão de bomba danifica instalações da Força Aérea chilena

A explosão de uma banana de dinamite danificou as janelas de um escritório de assistência social da Força Aérea chilena, causando ferimentos leves em uma pessoa. Ninguém assumiu a autoria do atentado. Segundo o capitão da polícia Hugo Peñafiel, a explosão, ocorrida ontem à noite, foi causada por uma banana de dinamite de baixa potência e provocou um trauma acústico em um militar da Aviação, o cabo Segundo Román Castillo. A data de ontem não está relacionada com as Forças Armadas nem com a fundação de grupos guerrilheiros que atuaram durante a passada ditadura do general Augusto Pinochet. No entanto, causaram impacto nos últimos dias duas reportagens divulgadas pela imprensa, baseadas em declarações de uma fonte identificada apenas como "Colmillo Blanco", sobre a suposta reativação de um grupo clandestino repressivo que atuou após o golpe militar de 1973 e no qual a Força Aérea teve ampla participação. A fonte, que não quis se identificar por temer represálias para si ou sua família, afirma que a organização Comando Conjunto se reagrupou para evitar - com declarações falsas perante os tribunais - a identificação dos membros do grupo e o paradeiro das vítimas então detidas e até hoje desaparecidas. O Comando Conjunto, segundo um de seus ex-agentes, atuou entre 1974 e 1975 na repressão ao esquerdista Movimento de Esquerda Revolucionária (MIR, por sua sigla em espanhol) e do Partido Comunista, deixando em seu rastro dezenas de vítimas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.