Explosão de bomba mata seis soldados na região egípcia do Sinai

Seis soldados egípcios foram mortos por uma bomba detonada por controle remoto na península do Sinai, no Egito, neste domingo, afirmou o Exército em um comunicado.

REUTERS

19 de outubro de 2014 | 14h17

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque, que também feriu cinco soldados. A bomba explodiu quando uma patrulha responsável por proteger um duto de gás natural passou pelo local, disseram fontes de segurança.

A explosão ocorreu a sudoeste da capital provincial, Al-Arish, onde dois policiais foram mortos quando sua patrulha foi atingida por uma granada há três dias.

As forças de segurança enfrentam uma insurgência jihadista que já matou centenas de soldados e policiais desde que o Exército derrubou o presidente Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana, no ano passado após protestos contra seu governo.

A maioria dos ataques foi na península do Sinai, que faz fronteira com Israel e a Faixa de Gaza.

Autoridades de segurança dizem que militantes baseados no Sinai são inspirados pelo Estado Islâmico, o ramo da Al Qaeda que controla partes do Iraque e da Síria e que quer redesenhar o mapa do Oriente Médio.

Um comandante sênior da Ansar al-Bayt Maqdis, o grupo jihadista mais mortal do Egito, disse à Reuters que o Estado Islâmico aconselhou seu movimento sobre como operar de forma mais eficaz.

(Reportagem de Shadi Bushra)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOSOLDADOSSINAI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.