DHA via AP
DHA via AP

Explosão de caminhão-bomba em delegacia na Turquia deixa ao menos 11 mortos e dezenas de feridos

Veículo explodiu em um posto de controle na entrada de um edifício policial; premiê turco afirma que ação foi conduzida pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK)

O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2016 | 09h25

ANCARA - Um ataque com um caminhão-bomba em uma delegacia no sudeste da Turquia, de maioria curda, deixou ao menos 11 mortos e feriu dezenas de pessoas nesta sexta-feira, 26, dois dias após os turcos iniciarem uma operação contra o Estado Islâmico (EI) e militantes curdos na Síria.

O atentado ocorreu por volta das 6h40 locais (0h40 em Brasília), quando o veículo explodiu em um posto de controle na entrada de um edifício policial. A explosão foi muito forte e deixou o local reduzido a escombros. Prédios vizinhos também sofreram danos.

O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, disse não haver dúvidas de que o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que trava uma insurgência de três décadas pela autonomia curda, seria o responsável pelo ataque na Província de Sirnak, que faz fronteira com Síria e Iraque.

O gabinete do governador da província informou que 11 policiais foram mortos e 78 pessoas, entre elas 3 civis, ficaram feridas. Não houve reivindicação imediata da autoria da ação.

Autoridades turcas impuseram um "blecaute informativo" sobre o atentado, para evitar a divulgação de informações sobre a investigação ou imagens das vítimas.

De acordo com alguns veículos de imprensa locais, após a explosão houve uma troca de tiros entre os agressores e as forças de segurança, um procedimento habitual do PKK.

O ataque é o mais recente em uma série de atos desde que um cessar-fogo com o PKK foi desfeito há mais de um ano, e acontece no momento em que a Turquia tenta se recuperar da tentativa fracassada de golpe militar realizada em julho. / Reuters e EFE

Mais conteúdo sobre:
Turquia Violência Bomba Curdo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.