Explosão de carro-bomba deixa 6 feridos no Afeganistão

Um carro-bomba explodiu do lado de fora de um quartel-general da polícia no sul do Afeganistão neste sábado, ferindo pelo menos seis pessoas. Janelas de prédios foram danificadas num raio de um quilômetro e meio, informaram policiais. Dois civis e quatro policiais ficaram feridos, disse o porta-voz do governo da província de Kandahar, Zalmai Ayubi. A polícia isolou a área ao redor do local.

AE, Agência Estado

11 de dezembro de 2010 | 09h39

Azar Jan, um policial que fazia guarda do outro lado da rua, disse que percebeu um carro de cor prata vazio que estava estacionado, momentos antes da explosão. "Eu estava me virando quando a explosão aconteceu", disse ele, que teve ferimentos na cabeça.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) enviou mais tropas para as províncias de Kandahar e Helmand, no sul do país, obtendo algum progresso na eliminação do Taleban na região, mas os ataques de insurgentes continuam.

Funcionários afegãos informaram que uma bomba colocada à margem de uma estrada, plantada pelo Taleban, matou 15 civis numa região remota de Helmand na tarde de sexta-feira. Um caminhão que levava moradores locais para um mercado próximo passou sobre a bomba no distrito de Khan Neshin, província de Helmand, disse o porta-voz do governo local, Daoud Ahmadi. "Foi uma explosão muito forte. O veículo ficou destruído", disse Ahmadi, acrescentando que todas as vítimas eram homens.

Também hoje, no norte do país, um suicida explodiu um carro da polícia que havia sido roubado, ferindo cinco soldados afegãos e nove civis perto de um posto de verificação do Exército. Segundo o porta-voz do governo da província de Kunduz, Muhbobullah Sayedi, a força da explosão destruiu várias casas próximas e única pessoa morta foi o suicida. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.