Explosão de carro-bomba em delegacia mata 6 no Paquistão

Um suicida invadiu uma delegacia de polícia com um carro repleto de explosivos e destruiu o local, nesta quarta-feira, num momento em que o Taliban intensifica os ataques contras as forças de segurança do Paquistão em retaliação à morte de Osama bin Laden.

FARIS ALI, REUTERS

25 de maio de 2011 | 10h55

Pelo menos cinco policiais e um soldado foram mortos no atentado na cidade de Peshawar, no noroeste do país. O Taliban paquistanês assumiu a autoria.

Os militantes, aliados da Al Qaeda, prometeram vingar a morte de Bin Laden por forças dos EUA em uma cidade paquistanesa no início de maio.

"Continuaremos os ataques às forças de segurança até um regime islâmico ser implementado no Paquistão, porque o sistema paquistanês não é islamizado", declarou Ehsanhullah Ehsan, um porta-voz do Taliban paquistanês, à Reuters, acrescentando que o ataque também foi uma vingança pela morte de Bin Laden.

A explosão aconteceu dois dias após uma incursão ousada do Taliban a uma base naval fortemente protegida na cidade de Karachi, no sul, que matou 10 militares e destruiu duas aeronaves.

A delegacia, em um bairro militar, abriga um escritório do Departamento de Investigação Criminal, que é responsável por investigar militantes islâmicos.

Também há instalações de treinamento para forças especiais e residências de oficiais nas proximidades.

O ministro provincial Bashir Bilour disse que até 300 quilos de explosivos foram usados no carro bomba, que segundo a polícia feriu 22 pessoas.

Moradores disseram que a detonação sacudiu as janelas por toda a cidade. Voluntários e socorristas removeram destroços com pás enquanto escavadeiras removiam placas de concreto partidas.

O oficial de polícia Ejaz Khan disse que o suicida atirou o carro contra o portão da delegacia, na principal estrada que leva ao Afeganistão através da passagem de Khyber.

Outro oficial afirmou que cerca de 20 policiais estavam no edifício quando o atentado ocorreu.

"Três de nossos colegas ainda estão desaparecidos sob os escombros, e levará mais uma hora para limpar o local", disse o oficial Bahadur Khan.

"Meu colega e eu estávamos no telhado, chamando os oradores da madrugada, quando de repente houve uma grande explosão", disse o policial ferido Muzaffar Khan. "Não sabemos o que aconteceu, mas o telhado desabou e caímos no chão."

"Fiquei preso sob os destroços", disse ele. "Estava gritando por ajuda e chorando. Tive sorte que me puxaram para fora."

(Reportagem adicional de Sahar Ahmed, Zeeshan Haider, Kamran Haider, Augustine Anthony, Haji Mujtaba e Saud Mehsud)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOATENTADODELEGACIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.