Efe
Efe

Explosão de carro-bomba em funeral mata 27 em Damasco

Governo acusa rebeldes pelo atentado, enquanto grupos opositores dizem que foi armação do regime Assad

estadão.com.br,

28 de agosto de 2012 | 12h17

DAMASCO - A explosão de um carro-bomba na periferia de Damasco matou 27 pessoas que participavam de um velório nesta terça-feira, 28. O ataque ocorreu no bairro Jaramana, onde a maioria das pessoas é favorável ao regime de Bashar Assad.

Veja também:

blog ONU: aumento da violência na Síria faz número de refugiados "explodir de forma dramática"

link França incentiva oposição síria a formar novo governo

"Mais 48 pessoas ficaram feridas, muitas delas em estado grave", informou a televisão estatal síria, que caracterizou a explosão como um ato "terrorista". Até o momento, ninguém reivindicou a autoria do ataque, que causou uma troca de acusações entre governo e rebeldes.

Segundo o grupo opositor Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), com sede em Londres, o ataque ocorreu em meio ao funeral de dois partidários de Assad, em uma região de maioria cristã e drusa. O governo acusou o Exército Sírio Livre (ESL) pelo atentado, enquanto os rebeldes disseram que o regime lançou o ataque para jogar a opinião pública contra os dissidentes.

O opositor Conselho Nacional Sírio acusa o governo de "encenar" um ataque a seus correligionários para desviar a atenção da morte de centenas de pessoas em um ataque na semana passada contra um bairro de maioria sunita em Damasco.

Com Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.