SHAH Marai/AFP
SHAH Marai/AFP

Explosão de carro-bomba em prédio do governo deixa mortos e feridos em Cabul

Segundo autoridades locais, pelo menos 5 pessoas morreram e 53 ficaram feridas em ataque ao Ministério da Justiça reivindicado pelo Taleban

O Estado de S. Paulo

19 de maio de 2015 | 10h38

(Atualizada às 12h30) CABUL - A explosão de um carro-bomba no estacionamento do ministério da Justiça do Afeganistão, nesta terça-feira, 19, deixou aos menos 5 mortos e 53 feridos, segundo autoridades locais. Este foi o quinto grande ataque em Cabul em menos de duas semanas e o terceiro que tinha como alvos funcionários do sistema de Justiça do país.

O Taleban reivindicou a autoria do ataque e afirmou que insurgentes do grupo continuarão "matando promotores e juízes escravos". De acordo com o porta-voz do grupo, Zabihullah Mujahid, os insurgentes consideram que os tribunais do país são uma ferramenta do governo afegão - apoiado pelos EUA - para conspirar maus-tratos de prisioneiros.


"Em razão disto, os juízes, promotores e funcionários escravos do Ministério da Justiça têm sido nossos alvos e nossos ataques continuarão enquanto as atividades cruéis deles continuarem", disse Mujahid em uma declaração enviada por e-mail às agências internacionais.

O ministro da Justiça estava no interior do edifício no momento do ataque, assegurou uma fonte de seu departamento que pediu anonimato. A explosão - que levantou uma grande coluna de fumaça preta e sacudiu janelas em toda a área diplomática de Cabul - aconteceu a 150 metros do Palácio Presidencial e em uma zona do coração da cidade que abriga diversos ministérios e escritórios governamentais.

Pelo menos cinco pessoas morreram na explosão, confirmou à agência Reuters o porta-voz do ministério do Interior afegão, Sediq Sediqqi. O veículo, parado no estacionamento do Ministério, teria sido detonado por um terrorista que também morreu na ação.

Um funcionário do ministério de Saúde Pública informou que 53 pessoas feridas no ataque foram levadas para três hospitais na região. Segundo Mohammad Ismail Kawusi, o número de feridos ainda pode aumentar.

Violência. A capital afegã registrou um aumento no número de ataques desde o começo da ofensiva de primavera do Taleban, iniciada no dia 24. 

No domingo quatro pessoas, uma delas britânica, morreram e outras 20 ficaram feridas em um atentado suicida contra um comboio da missão policial da União Europeia no Afeganistão (EUPOL) nas imediações do aeroporto internacional. Quatro dias antes, homens armados abriram fogo dentro de hotel em Cabul popular entre os estrangeiros, matando 14 pessoas.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) pôs ponto final em 2014 a sua missão de combate no Afeganistão, a Isaf, substituída desde janeiro por uma operação com quatro mil soldados em tarefas de assistência e capacitação e à qual seguirá outra liderada por civis, mas com um componente militar.

Os Estados Unidos mantêm sua missão "antiterrorista" de combate no Afeganistão com cerca de 11 mil soldados, que devem permanecer no país até 2016. / REUTERS, AP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãocarro-bombaCabul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.