Explosão de duas bombas no Egito deixa seis policiais feridos

Ninguém assumiu a autoria do ataque, ocorrido nos arredores do Cairo

O Estado de S. Paulo,

07 de fevereiro de 2014 | 09h41

CAIRO - Dois artefatos explosivos foram detonados nesta sexta-feira, 7, perto de uma delegacia em Giza, nos arredores do Cairo, ferindo seis policiais, disseram fontes de segurança e do Ministério do Interior. Ninguém assumiu de imediato a responsabilidade pelas explosões.

Ataques de militantes contra policiais e soldados mataram várias pessoas, principalmente na Península do Sinai, desde que Morsi foi derrubado por um golpe militar em 3 de julho.

A polícia isolou o local. Segundo a televisão estatal, o ataque teve como alvo o posto de verificação montado para conter um protesto planejado por partidários de Morsi, que haviam convocado manifestações para hoje.

O Egito tem sido assolado por uma onda de protestos e violência desde que os militares depuseram o presidente islâmico Mohamed Morsi no ano passado, em meio a imensos protestos contra o seu governo.

O chefe do Exército, o marechal de campo Abdel Fattah al-Sisi, deve ser candidato a presidente e é amplamente favorito a vencer, por uma ampla margem, as eleições marcadas para daqui a seis meses.

Uma Presidência de Sisi seria contrária à Irmandade Muçulmana de Morsi, que o governo classificou como um grupo terrorista. O governo interino tem conduzido uma repressão contra o movimento, que chegou ao poder após as revoltas de 2011 que derrubaram o ditador Hosni Mubarak.

A Irmandade nega qualquer ligação com os militantes que tem conduzido ataques, incluindo atentados à bomba no Cairo e o assassinato de uma autoridade do Ministério do Interior./ REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoatentadoMohamed Morsi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.