Mohammad Ponir Hossain/REUTERS
Mohammad Ponir Hossain/REUTERS

Explosão de gás deixa 13 mortos em mesquita de Bangladesh

Bombeiros suspeitam que após vazar de tubulação, gás se acumulou do lado de fora da mesquita e explodiu quando os aparelhos de ar-condicionado foram ligados

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2020 | 06h06

DHAKA - A explosão de um gasoduto próximo a uma mesquita em Bangladesh matou 13 fiéis e deixou outros 30 feridos na noite desta sexta-feira, 4. Eles estavam perto de acabar as orações que faziam no momento, segundo autoridades locais. 

Os bombeiros acreditam que a explosão foi causada por um vazamento na tubulação próxima a mesquita do distrito de Narayanganj, a poucos quilômetros da capital, Dhaka. 

Dezenas de pessoas foram levadas para um hospital estadual de Dhaka, especializado em queimaduras e cirurgias plásticas. A maioria das vítimas tiveram graves queimaduras. 

Entre os 13 mortos está uma criança. O número de vítimas fatais pode aumentar devido a gravidade do estado de saúde dos fiéis levados ao hospital.

"A nossa principal suspeita é de que o gás foi vazado pela tubulação e ficou acumulado do lado de fora da mosquita, uma vez que as janelas estavam fechadas. Quando os ares-condicionados foram ligados, a corrente elétrica pode ter causado a explosão", disse Abdullah Al Arefin, oficial do Corpo de Bombeiros. 

Todos os seis aparelhos de ar-condicionado da mesquita explodiram durante o incidente./REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladesh [Ásia]gasodutogás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.