Anwar Amro/AFP
Anwar Amro/AFP

Explosão deixa 300 mil desabrigados e causa destruição em metade de Beirute

Enquanto bombeiros e equipes de resgate reviram escombros em busca de corpos, governador da capital libanesa calcula que prejuízos podem chegar a US$ 5 bilhões; número de mortos sobe para 137, mas ainda há dezenas de desaparecidos 

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2020 | 20h13
Atualizado 06 de agosto de 2020 | 03h59

BEIRUTE - A capital do Líbano acordou esta quarta-feira, 5, em estado de choque, um dia após a explosão que devastou a cidade. “Quase metade de Beirute está destruída ou danificada”, disse o governador de Beirute, Marwan Abbud. Enquanto equipes de resgate reviravam escombros em busca de corpos, os números da tragédia cresciam. Oficialmente, foram 137 mortos, mas ainda há dezenas de desaparecidos. Autoridades disseram que 5 mil pessoas ficaram feridas e 300 mil, desabrigadas

“Dei uma volta por Beirute. Os prejuízos podem chegar a US$ 5 bilhões (R$ 26,6 bilhoes)”, disse Abbud. Na região portuária, epicentro da tragédia, o panorama é apocalíptico: lixeiras retorcidas e carros incinerados. Com a ajuda de policiais, socorristas da Cruz Vermelha e bombeiros passaram a noite resgatando sobreviventes e cadáveres.

Hoje, as forças de segurança isolaram a região portuária. O acesso foi autorizado apenas para a Defesa Civil, ambulâncias e bombeiros. Várias horas após a explosão, helicópteros ainda seguiam despejando água para tentar conter as chamas. 

“É uma catástrofe. Há corpos espalhados pelo chão”, disse um soldado perto do porto. “Foi como uma bomba atômica”, contou Makruhie Yerganian, professor aposentado que vive há mais de 60 anos na região portuária. 

O governo do Líbano decretou estado de emergência de duas semanas e abriu uma investigação para apontar os responsáveis. “Não há palavras para descrever a catástrofe de ontem (terça-feira)”, disse o presidente libanês, Michel Aoun.

Autoridades colocaram todos os funcionários do porto de Beirute responsáveis pelo armazenamento e pela segurança em prisão domiciliar. A principal hipótese para a explosão é a negligência. Autoridades sabiam havia muito tempo dos riscos de estocar 2,7 mil toneladas de nitrato de amônio, material usado em bombas e fertilizantes, de maneira improvisada em um galpão no porto.

“É inadmissível que um carregamento de nitrato de amônio de 2,7 mil toneladas esteja há seis anos em um armazém sem medidas preventivas. Isso é inaceitável e não podemos permanecer em silêncio sobre o tema”, declarou o primeiro-ministro, Hassan Diab. 

A explosão de terça-feira foi tão poderosa que foi sentida no Chipre, a 240 quilômetros de distância. Os sensores do Instituto Geológico dos EUA (USGS) registraram o abalo como um terremoto de magnitude 3,3. Em alguns edifícios próximos à região portuária de Beirute, todas as janelas foram estilhaçadas. Bares, boates e restaurantes da orla ficaram arrasados.  

Com a falta de eletricidade na maior parte da cidade, o trabalho de resgate dos bombeiros ficou limitado ao que podiam fazer durante o dia. Hoje, começaram a chegar as primeiras equipes de especialistas franceses, checos, russos e alemães para ajudar nas buscas. O Irã também enviou toneladas de ajuda humanitária. 

Antes mesmo da tragédia, o Líbano era um país em convulsão social. Lutando contra o colapso econômico, a crise política e a pandemia de coronavírus, a raiva nas ruas apenas aumentou de intensidade. A população agora exige respostas e culpados. Para analistas, a explosão coloca ainda mais pressão sobre o governo e pode agravar um quadro de fome

“É o cenário de um país que vem se esfacelando, perdendo seus alicerces básicos”, afirma Arlene Clemesha, professora de história árabe da Universidade de São Paulo (USP). “Na última década, o Líbano chegou ao ponto de não produzir nem conseguir fazer circular os bens necessários para a alimentação de sua população. Cerca de 80% dos insumos são importados. A explosão atinge o principal meio de entrada de suprimentos e agrava a instabilidade alimentar.” / AFP, NYT e REUTERS, Colaborou Paulo Beraldo

 

Tudo o que sabemos sobre:
Michel AounLíbano [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.