Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Ataque do EI contra mesquita xiita no Kuwait mata 25

Segundo ministro do Interior, ao menos 202 ficaram feridas; é o primeiro ataque do tipo no país, um dos mais estáveis da região

O Estado de S. Paulo

26 de junho de 2015 | 09h54

(Atualizada às 12h40) CAIRO - O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) assumiu a autoria de um atentado realizado nesta sexta-feira, 26, contra uma mesquita xiita na capital do Kuwait, que deixou ao menos 25 mortos e 202 feridos, segundo o ministro do Interior do país. Esse é o primeiro ataque desse tipo em uma mesquita do país.

De acordo com um comunicado divulgado na internet e cuja autenticidade ainda não pôde ser comprovada, o grupo terrorista garante que o ato foi cometido por um suicida que usava um cinto carregado de explosivos identificado como Abu Suleiman al-Muwahed. O alvo, segundo o EI, seria um "templo de rejeicionistas" - um termo geralmente utilizado pelos jihadistas para se referir aos xiitas, a quem eles consideram hereges.

A agência de notícias oficial do país, a Kuwait News, informou que uma explosão atingiu a mesquita Imam Sadiq, localizada no bairro de al-Sawabir, um distrito residencial e comercial da Cidade do Kuwait. Vários sites de notícias divulgaram vídeos do momento posterior ao atentado nos quais se vê a grande sala de oração cheia de pó.

O grupo ligado ao EI que assumiu o ataque, conhecido como Najd Province, é o mesmo que disse ter atacado duas mesquitas xiitas na Arábia Saudita nas últimas semanas. No comunicado, o EI acusa os xiitas de promover o politeísmo e tentar propagar sua ideologia entre os sunitas, credo muçulmano com o qual os jihadistas se identificam. 

O Ministério do Interior condenou o ato e o descreveu como um "crime, um atentado" com o qual se pretende "rasgar a união nacional". O Conselho de Ministros convocou uma reunião urgente para acompanhar a situação e tomar as medidas necessárias. /AP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Estado IslâmicoKuwait

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.