Explosão em aeroporto atribuída ao ETA fere 26 na Espanha

O carro-bomba que explodiu neste sábado, 30, num estacionamento de um novo terminal do aeroporto de Madri, feriu 26 pessoas e provocou a paralisação dos vôos no país. Pouco antes da explosão, houve dois telefonemas de advertência às autoridades, um deles por uma pessoa que dizia falar em nome do grupo separatista basco ETA.A explosão levou à suspensão de todo o tráfego aéreo num dos dias mais movimentados do ano, e marcou o fim de um cessar-fogo de nove meses do ETA, que havia criado as maiores esperanças em uma década do fim pacífico do conflito.O governo espanhol culpou o ETA e lamentou a violação do cessar-fogo. "A violência é incompatível com o diálogo em uma democracia", disse o ministro de Interior, Alfredo Perez Rubalcaba.Dois telefonemas de advertência foram feitos na região basca pouco antes da explosão. Na segunda chamada, um homem assumiu responsabilidade em nome dos separatistas, informou o Departamento do Interior basco.A bomba explodiu por volta das 9h30 (locais) no novo Terminal 4 do aeroporto, disse Javier Ayuso, um porta-voz do serviço de resgate da cidade de Madri.Uma grossa coluna de fumaça negra ainda era vista no local mais de uma hora depois da explosão e o prédio de controle do estacionamento parecia ter pegado fogo.O aeroporto foi fechado e todos passageiros foram retirados do terminal. A explosão ocorreu poucas horas depois da execução em Bagdá do ex-ditador Saddam Hussein, criando temores de que militantes islâmicos poderiam estar envolvidos. Mas a Guarda Civil afirmou que tratou-se de um carro-bomba de responsabilidade do ETA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.