Explosão em balsa deixa 180 desaparecidos nas Filipinas

O grupo extremista Abu Sayyaf assumiu responsabilidade pela explosão que ateou fogo a uma balsa com 897 pessoas a bordo, mas quais 184 continuam desaparecidas. O governo filipino descartou a alegação do grupo islâmico, dizendo que a organização, enfraquecida, tenta reconquistar o prestígio perdido.Apenas uma morte foi confirmada. Testemunhas informam que uma grande explosão deu início ao incêndio na madrugada de sexta-feira. A maioria dos passageiros escapou em botes ou a nado, mas as esperanças de que novos sobreviventes sejam encontrados entre os 184 desaparecidos parecem muito reduzidas neste domingo. ?Não temos explicação?, disse Gina Virtuso, porta-voz da empresa proprietária da balsa. ?Não podemos dizer que os desaparecidos estão mortos porque não vimos os corpos?.Os mergulhadores que vasculharam a balsa naufragada também estão perplexos, embora digam que o calor intenso, que deformou o metal do interior da embarcação, torna difícil o reconhecimento de restos humanos. ?Não vimos nem mesmo ossos. Onde foram os desaparecidos??, disse um guarda-costeira, depois de retornar da balsa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.