Explosão em Beirute matou militante do Hezbollah

A bomba que explodiu nesta manhã dentro de um automóvel no sul de Beirute matou apenas o seu condutor, o militante do grupo extremista Hezbollah, Ali Hussein Saleh, e feriu um transeunte. A princípio, informações davam conta que duas pessoas teriam morrido e dezenas de pedestres teriam ficado feridos. A explosão na rodovia Hadi Nasrallah aconteceu em um horário de grande movimento. Segundo a polícia, a bomba, colocada no banco de trás do veículo, explodiu segundos depois que o carro deixou o local onde estava estacionado. O automóvel ficou totalmente destruído. Saleh teve o corpo totalmente mutilado. Ele se dirigia para a embaixada do Irã, onde trabalhava como agente de segurança. O Hezbollah emitiu uma nota confirmando que Saleh, de 42 anos, era um de seus membros desde 1982 e que era casado e tinha dois filhos. Ainda segundo a organização, Saleh havia participado de várias ?operações? contra forças de ocupação de Israel no sul do Líbano. O Hezbollah culpou Israel pelo ataque e jurou vingança. ?A mão de Israel exerce novamente o terrorismo e a agressão dentro do território libanês e em áreas densamente povoadas, fazendo como vítima desta vez um de nosssos melhores lutadores?, afirmou o comunicado.A rodovia Hadi Nasrallah, onde ocorreu a explosão, foi batizada com esse nome após a morte do filho mais velho do líder do Hezbollah xeque Hassan Nasrallah, Haidi, em um confronto contra tropas israelenses no sul do Líbano. O grupo xiita lidera a resistência libanesa contra a ocupação israelense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.