Explosão em cafeteria deixa um morto em Toronto

Uma pessoa morreu neste domingo após uma explosão no banheiro de uma cafeteria no centro de Toronto. Embora tenha sido levantada a suspeita de um atentado a bomba, para autoridades tudo leva crer que o incidente foi causado por um incêndio. De acordo com o chefe da polícia de Toronto, Bill Blair, ainda é cedo para determinar se a motivação do fogo foi acidental ou criminosa. Blair informou que a polícia ainda não procura por suspeitos. "Parece que foi um incêndio bastante intenso em uma pequena área próxima ao banheiro", ele disse. "Até determinarmos precisamente o que aconteceu no local e o que causou a explosão que levou a vida deste homem, eu realmente não poderei especular", acrescentou. A gerente da loja, uma unidade da rede de cafeterias "Tim Hortons", Eunice Almeida, de 23 anos, disse que conversou com os empregados do estabelecimento logo após a evacuação. Uma funcionária teria dito a ela que a explosão foi sentida através de um estouro repentino por toda a loja. Segundo a "Tim Hortons", a pessoa morta não era um de seus funcionários. Suspeita de bomba Embora a polícia tenha descartado a possibilidade de um atentado a bomba, após a explosão um robô teve de ser utilizado para detonar uma mochila suspeita encontrada no mesmo estabelecimento. Outra cafeteria da mesma rede foi esvaziada devido à presença de um pacote suspeito. Ainda não se sabe se o pacote que motivou o alarme no segundo estabelecimento continha explosivos. A explosão aconteceu às 14 horas (horário de Brasília) a poucos metros da entrada da estação de metrô das ruas Bloor e Yonge, uma das esquinas mais concorridas do centro de Toronto. O segundo estabelecimento fica a duas paradas de metrô do lugar. Algumas testemunhas declararam que pouco antes da explosão observaram um homem entrar no banheiro com cabos entre as roupas, mas este dado não foi confirmado pelas autoridades. Além disso, pessoas que estavam no local disseram ter visto policiais utilizando roupas especiais para manipulação de materiais de alto risco. Ainda não está claro, no entanto, se substâncias com alto potencial tóxico foram identificadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.