Explosão em Madri deixa cerca de 100 feridos

Pelo menos 100 pessoas ficaram feridas na explosão que ocorreu esta manhã em uma zona residencial e de escritórios em Madri, durante um horário em que muitas pessoas se dirigiam ao trabalho. Um veículo carregado de explosivos, supostamente colocado pelo grupo separatista basco ETA, explodiu e feriu pelo menos 100 pessoas, entre elas uma mãe e sua filha de três anos, informaram autoridades espanholas. O ministro espanhol do Interior, Mariano Rajoy, disse que, ao que parece, o atentado fora planejado contra Juan Junquera, secretário-geral do departamento de política científica do governo, cujo veículo passava pela área no momento da explosão. Segundo Rajoy, a maioria dos feridos sofreu apenas lesões leves e cortes. Um porta-voz da polícia municipal afirmou que várias pessoas, entre elas a mãe e a filha, foram levadas a hospitais próximos do local da detonação. Segundo médicos, as duas passam bem. O porta-voz do serviço de ambulância da capital espanhola, Emilio Benito, afirmou que 99 pessoas foram tratadas por causa de ferimentos. Por volta do meio-dia (horário local), apenas quatro vítimas permaneciam internadas. De acordo com um porta-voz policial, que pediu para não ser identificado, o atentado "tem todas as características de um ataque terrorista do ETA". Ele disse também que não houve aviso prévio. Suspeitos detidos - Cerca de uma hora depois do atentado, a polícia deteve um homem e uma mulher para interrogatórios com base na testemunha de um pedestre que os seguiu ao vê-los abandonar o local de forma suspeita. Ambos portavam mochilas com explosivos, pistolas de calibre 9 mm, munições, perucas e documentos falsos. De acordo com um porta-voz de uma unidade dos bombeiros, 15 veículos foram destruídos na explosão. Segundo uma agência de notícias local, a bomba foi detonada próxima à sede espanhola da multinacional americana IBM e de uma sucursal do banco espanhol BBVA. A polícia informou que a explosão ocorreu às 9h08 (horário local), na Rua Corazón de María, ao noroeste do centro da capital espanhola. O ETA tem realizado freqüentes atentados com explosivos em sua campanha pela independência do País Basco, situado ao norte da Espanha. A explosão ocorreu depois que 10 membros de dois grupos ligados ao ETA foram detidos na semana passada por ordem do juiz da Audiência Nacional Baltasar Garzón, o mesmo magistrado cuja petição de extradição fez com que o ex-ditador chileno Augusto Pinochet permanecesse detido em prisão domiciliar na Grã-Bretanha por 19 meses antes de ser devolvido a seu país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.