Daniela Primera/AP
Daniela Primera/AP

Explosão em maior refinaria da Venezuela deixa 39 mortos

Mais de 80 pessoas ficaram feridas e casas desabaram; vazamento de gás causou a explosão

Estadão.com.br,

25 de agosto de 2012 | 09h04

* Texto atualizado às 23h39

PARAGUANA - Uma explosão na maior refinaria da Venezuela deixou ao menos 39 mortos e mais de 80 feridos neste sábado, 25. Esse é o maior desastre no ramo da indústria petrolífera na América do Sul.

Entre as vítimas está uma criança de dez anos. "Lamentavelmente, 39 pessoas morreram, a maioria delas fazia parte da nossa Guarda Nacional", afirmou o vice-presidente venezuelano Elías Jaua. Após incidente, o presidente Hugo Chávez decretou três dias de luto nacional.

Veja também:

link Oposição promete eliminar venda facilitada de petróleo venezuelano

 

Entre os feridos, nove se encontram em estado grave, informou a ministra da Saúde Eugenia Sader. Segundo ela, 77 deles tiveram escoriações leves e já tiveram alta dos hospitais. 

 

Um vazamento de gás na refinaria Amuay, no norte do país, causou a explosão, de acordo com Stella Lugo, governadora do Estado Falcón. Com o impacto, casas próximas ao local desabaram. Lugo também disse que "até o momento a situação está sob controle". "Estamos deslocando toda a equipe de bombeiros, toda a equipe de saíude (para o local)", informou a governadora ao canal estatal VTV.

 

O ministro do Petróleo, Rafael Ramírez, afirmou que a explosão foi decorrente de um vazamento de gás. "Esse gás se transformou em uma grande nuvem que explodiu e afetou ao menos dois tanques da refinaria". Questionado sobre a produção de petróleo, Ramírez disse que a Venezuela tem reservas suficientes para continuar exportando e consumindo. 

 

A refinaria de Amuay fica na península de Paraguana e produz 645.000 barris de petróleo por dia, sendo uma das três unidades que compõem o Centro Refinador de Paraguana, um dos maiores do mundo. 

 

(Com Reuters e Efe)

 

Tudo o que sabemos sobre:
explosãorefinariaVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.