Explosão em metrô da capital de Belarus mata pelo menos 11

Relatos falam de pelo menos 50 feridos; causa ainda são desconhecidas.

BBC Brasil, BBC

11 de abril de 2011 | 18h27

O presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, confirmou que pelo menos 11 pessoas foram mortas em uma explosão que atingiu nesta segunda-feira a estação de metrô de Oktyabrskaya, na capital do país, Minsk.

De acordo com a agência de notícias russa RIA Novosti, Lukashenko disse que o ocorrido representa "um desafio sério" para a nação.

"Não excluo a possibilidade de este 'presente' ter sido trazido por estrangeiros. Mas temos que examinar o país também", disse Lukashenko.

O presidente teria ordenado ao serviço secreto de Belarus, chamado de KGB, que "revire o país de cima a baixo" para encontrar os culpados.

Caos

A explosão ocorreu pouco antes das 18h, horário de grande movimento no metrô. Segundo a agência russa Interfax, cerca de 50 pessoas ficaram feridas.

Outra agência de notícias russa, a RIA Novosti, disse que há muitos feridos em estado grave.

Uma testemunha disse que parte do teto da estação foi destruído pela explosão.

A estação é considerada uma das principais de Minsk, e uma de suas saídas é localizada cerca de cem metros do escritório e da residência de Lukashenko.

A área foi isolada, e equipes de enfermeiros e do corpo de bombeiros trabalham no local.

Não se sabe se o ocorrido foi um acidente ou ato político. Até agora, nenhum grupo assumiu responsabilidade.

Mas, segundo a RIA Novosti, Lukashenko sugeriu que o incidente pode estar relacionado com a explosão ocorrida em um concerto em 2008 que feriu 50 pessoas.

"Estes talvez sejam elos de uma corrente. Precisamos saber quem ganha sabotando a paz e a estabilidade do país", afirmou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.