Explosão em mina na Turquia mata ao menos 201

Centenas de operários continuavam retidos no subsolo e autoridades temiam um número muito maior de vítimas; Erdogan deve visitar local

ISTAMBUL, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2014 | 02h01

Pelo menos 201 mineiros morreram ontem na explosão de uma mina de carvão na cidade de Soma, na Província de Manisa, no oeste da Turquia. Segundo o ministro da Energia, Taner Yildiz, 787 mineiros estavam no local na hora da explosão e 363 foram resgatados - 80 estão feridos, 4 em estado grave. De acordo com ele, os trabalhos de resgate devem durar até hoje de manhã.

Yildiz, no entanto, preferiu não arriscar uma estimativa sobre quantos trabalhadores, entre os 223 desaparecidos, poderiam ter sobrevivido e estariam presos no interior da mina. Ele prometeu divulgar aos poucos os avanços nas operações de resgate. De acordo com o deputado da oposição, Mustafá Moroglu, que está no local, o número de vítimas pode chegar a 250.

Mehmet Bahattin Atci, um administrador local, disse que 20 pessoas foram resgatadas imediatamente após a explosão - 11 com ferimentos. Os sobreviventes foram levados para um hospital da cidade de Soma. Ele disse que a explosão ocorreu numa unidade de distribuição de energia.

O acidente aconteceu a cerca de 200 metros de profundidade, mas a uma distância de dois quilômetros da entrada da mina. Os mineiros retidos estavam entre um e dois quilômetros do lugar da explosão.

O sindicalista Tamer Küçükgencay afirmou que as equipes de resgate estavam lutando para apagar o fogo e tentavam bombear ar fresco para o interior da mina. "Estamos preocupados com os companheiros porque o fogo acabou com o oxigênio. Eles dispõem de máscaras de gás, mas têm uma duração limitada e talvez não sejam suficientes", disse.

Resgate. Não havia informações sobre as condições dos que estavam retidos, mas a administração da mina disse que as autoridades se preparavam para a possibilidade de um grande salto no número de mortos, instalando uma câmara fria para receber os corpos a ser resgatados.

O primeiro-ministro da Turco, Recep Tayyip Erdogan, cancelou a viagem de um dia que faria à Albânia hoje. Ele deve visitar o local do desastre.

Imagens de TV mostravam ontem pessoas aplaudindo e saudando operários que eram retirados da mina por equipes de resgate. Alguns, com os rostos cobertos, outros sorrindo e acenando com o sinal de positivo.

Centenas de pessoas se aglomeraram do lado de fora da mina e do hospital em Soma a procura de informações sobre seus parentes. Muitos reclamavam da falta de assistência das autoridades. A polícia precisou intervir e instalou grades protetoras nos dois locais.

Segurança. A companhia responsável pela mina, Soma Komur Isletmeleri, confirmou que "havia mortes", sem dar o número exato de vítimas. A empresa informou que o acidente aconteceu "apesar das altas medidas de segurança e controle constante" da mina.

No entanto, a falta de condições mínimas de segurança nas minas torna os acidentes relativamente comuns na Turquia. O pior deles aconteceu em 1992, quando uma explosão matou 263 trabalhadores na Província de Zonguldak, próximo do Mar Negro. Em 2010, outra explosão de gás matou 30 mineiros na mesma província. / REUTERS, AP e EFE

Mais conteúdo sobre:
Acidente Turquia Tayyip Erdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.