Oded Balilty/AP
Oded Balilty/AP

Explosão em ônibus em Tel-Aviv deixa 21 feridos

Polícia israelense procura dois suspeitos que teriam escapado; incidente ocorre em meio a crise na Faixa de Gaza

estadão.com.br,

21 de novembro de 2012 | 08h11

Texto atualizado às 10h34

 

TEL-AVIV - Pelo menos 21 pessoas ficaram feridas nesta quarta-feira, 21, em consequência de um ataque que resultou na explosão em um ônibus em Tel-Aviv. Segundo o jornal israelense Haaretz, um dos feridos está em estado grave. Eles foram transferidos para o hospital Ichilov, um dos maiores de Tel-Aviv.

 

A publicitária brasileira Elke Aronson, que vive na cidade, relatou que há uma movimentação grande de ambulâncias no local. Ela disse que não ouviu a explosão mas que vê fumaça pela janela do escritório onde trabalha, a quatro quadras do local do incidente.

 

Segundo a rede de TV Al-Akhbar, as Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, grupo ligado à Fatah, partido do presidente palestino Mahmoud Abbas, teria assumido a responsabilidade sobre o ataque. Outro grupo, Comitês de Resistência Popular, também assumiram a autoria.

 

Em Gaza, o porta-voz do Hamas Fawzi Barhoum disse à rede de TV Al-Arabiya, segundo o jornal Yedioth Aharonot, "devemos continuar a responder à agressão israelense em antecipação ao cessar-fogo". Ainda de acordo com o jornal israelense, Barhoum disse que o ataque "é um ato de heroísmo".

 

De acordo com informações iniciais da rádio Kol Israel, um homem deixou um objeto no ônibus e escapou. O Canal 10 da TV israelense confirmou que o atentado não foi suicida e disse ainda que pelo menos duas pessoas estão sendo procuradas pela polícia. Segundo o grupo que assumiu a autoria do ataque, o terrorista teria conseguido escapar.

 

A explosão ocorreu no centro de Tel-Aviv, pouco depois de 12h (horário local, 8h em Brasília). Ainda não está claro quem provocou a explosão, mas o Hamas disse se tratar de uma "reação natural" à operação na Faixa de Gaza.

 

O atentado ocorre em meio à escalada de violência no território palestino e a esforços da comunidade internacional para um cessar-fogo. A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, chegou em Israel na noite de terça-feira, esteve em Ramallah na manhã de hoje e já partiu para o Egito. 

 

Aguarde mais informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.