Explosão em praia de Gaza não foi causada por Israel, aponta relatório

O ministro de Defesa de Israel, Amir Peretz, negou nesta terça-feira que o exército israelense tenha sido o responsável pela explosão que causou a morte de oito civis palestinos em uma praia da Faixa de Gaza, na sexta-feira passada. Autoridades palestinas alegam que a explosão foi causada por um ataque de um navio israelense.Em entrevista coletiva em Luxemburgo, a ministra de Relações Exteriores israelense, Tzipi Livni, afirmou que as mortes foram provocadas, aparentemente, "por um explosivo enterrado na praia para futuros ataques noturnos contra Israel, sistema utilizado nas semanas passadas pelos terroristas".O ataque, no qual uma família palestina inteira - exceto uma criança - e um homem morreram, levou o braço armado do grupo radical islâmico Hamas a anunciar a ruptura da trégua que mantinha há 16 meses com Israel.De acordo com as investigações, pedaços do explosivo mostram que ele não foi produzido em Israel. Além disso, o exército afirmou que a última granada foi lançada por Israel sete minutos antes da explosão. O Centro Palestino de Direitos Humanos alega que a explosão ocorreu ainda enquanto os israelenses atiravam.O exército contabilizou cinco dos seis explosivos lançados na região antes da detonação. O explosivo que está desaparecido foi lançado antes dos outros cinco, mais de dez minutos antes da explosão que matou os civis e aparentemente caiu longe da praia.Versão palestinaAutoridades palestinas disseram não ser provável que militantes do Hamas tenham implantado bombas na praia porque centenas de palestinos freqüentam o local às sextas-feiras, dia de descanso em Gaza."Esta é uma falsa alegação e a força armada israelense está tentando escapar da responsabilidade das mortes acusando os palestinos sem provas", disse o porta-voz do Hamas, Ghazi Hamad. "Temos testemunhas e evidências de que o massacre foi resultado de ataques israelenses", completou.A imagem de uma criança chorando sobre o corpo de seu pai foi divulgada pela imprensa de todo o mundo como símbolo da tragédia. Grande parte dos jornais atribuíram as mortes equivocadamente à Israel.Logo após a tragédia, Israel tinha dito que havia a possibilidade de que seu exército fosse o responsável pela explosão e lamentou a morte de civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.