Explosão em shopping da Finlândia foi ato terrorista, diz polícia

A explosão ocorrida ontem num shopping center da Finlândia, que causou a morte de sete pessoas e deixou dezenas de feridos, foi um atentado suicida e não um acidente com botijões de gás, como se pensava inicialmente. Segundo o chefe de polícia local, Tero Haapala, não há dúvida de que um dos corpos resgatados dos escombros causados pela explosão é o do terrorista suicida. Haapala afirmou à rede BBC que a polícia ainda não determinou o tipo de explosivo usado no ataque nem os possíveis motivos do atentado. Tudo o que se sabe é que o terrorista aparentava ter menos de 20 anos e chegou ao shopping vindo de Helsinque, a capital finlandesa. O shopping atacado, o Myyrmanni, fica no subúrbio de Vantaa, a cerca de 15 quilômetros de Helsinque, e tem 148 lojas e restaurantes. A explosão ocorreu numa área comum, perto das escada, onde normalmente se organizam atividades para crianças. O atentado ocorreu na sexta-feira, às 19h30 locais (13h30 em Brasília) - dia e faixa de horário em que o shopping reunia mais gente. No momento da explosão, havia entre 1.000 e 2.000 pessoas no local, segundo a polícia. Testemunhas relataram que a explosão transformou o centro comercial num cenário de horror, com sangue e restos humanos espalhados. A polícia informou que o número de mortos pode aumentar ainda mais nas próximas horas, uma vez que pelo menos três dos feridos que estão nos hospitais próximos estão em estado crítico. "Não vemos nada parecido com isso na Finlândia desde a 2ª Guerra", disse o chefe dos inspetores de polícia do país, Mikko Maunuksela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.