Explosão em trem mata pelo menos cinco na Índia

Pelo menos cinco pessoas morreram e dezenas ficaram feridas na explosão de uma bomba em um trem de passageiros que acabava de entrar na estação de Belakoba, no Estado de Bengala Ocidental, no nordeste da Índia. Uma fonte dos serviços de segurança citada pela rede de televisão NDTV informou, a princípio, que havia seis mortos e 50 feridos, 28 deles em estado grave. Diferentes meios calcularam entre 25 e 66 o número de feridos na explosão, que, segundo as primeiras investigações, foi causada por uma bomba, que destruiu dois vagões. O trem fazia o trajeto entre Haldibari e Siliguri do distrito de Jalpaiguri, no norte de Bengala Ocidental, em um trecho do território indiano que faz fronteira com Nepal, Butão e Bangladesh. A explosão ocorreu por volta das 18h30 (12h em Brasília) e matou cinco pessoas na hora, segundo o responsável local das ferrovias, Tushar Bhattacharya, citado pela agência PTI. A maioria dos feridos foi levada ao Hospital Sadar de Jalpaiguri. As fontes consultadas pela imprensa coincidem em apontar um dos grupos separatistas armados que atuam no nordeste da Índia como autor do atentado. O ministro do Interior do Estado de Bengala Ocidental, Prasad Ranjan Ray, disse que a explosão "parece obra de uma organização armada", mas que a polícia ainda reúne provas e tenta esclarecer "se foi uma bomba colocada a bordo ou um ataque suicida". Fontes de segurança consultadas pela NDTV consideraram que pode ter sido um atentado da Organização para a Libertação de Kamtapuri, que atua em Bengala Ocidental desde 1990 e está relacionada com a Frente Unida para a Libertação de Assam (Ulfa), do Estado vizinho. A Ulfa, que pegou em armas em 1979, é o principal grupo separatista das 25 organizações armadas mobilizadas em sete estados do nordeste da Índia, cujo objetivo é conseguir a independência ou uma ampla autonomia para seus territórios.

Agencia Estado,

20 Novembro 2006 | 17h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.