Explosão mata 35 na cidade paquistanesa de Rawalpindi

Governo anunciou recompensa pela captura do líder do Taleban no país, Hakimullah Mehsud

Reuters

02 Novembro 2009 | 10h34

Explosão ocorreu em uma região de hotéis e de quartéis do Exército. Foto: Efe

 

RAWALPINDI - Um ataque suicida supostamente lançado pelo Taleban matou ao menos 35 pessoas na cidade paquistanesa de Rawalpindi nesta segunda-feira, 2, disseram autoridades, enquanto o governo anunciava uma recompensa pela captura, vivo ou morto, do líder do grupo.

 

O ataque em Rawalpindi aconteceu numa área que abriga hotéis e quartéis-generais do Exército. Autoridades disseram que muitas das vítimas eram idosos que estavam na fila do banco para retirar suas aposentadorias. As emissoras de TV mostraram ambulâncias e viaturas policiais correndo pelas ruas com as sirenes ligadas. "Foi uma explosão enorme. A fumaça está saindo do local", disse Nasir Naqvi, que dirige uma agência de viagens perto do local do atentado.

 

A explosão de segunda aconteceu em meio a anúncios do governo paquistanês de uma recompensa de até US$ 5 milhões por informações que levassem à captura, vivo ou morto, do líder do Taleban no Paquistão, Hakimullah Mehsud, e de mais de uma dezena de outros líderes.

 

O anúncio da recompensa por Hakimullah foi feito em jornais. A quantia de mais de US$ 600 mil foi oferecida por Hakimullah, que é visto como um homem brutal e violento, e seu principal ajudante, Wali-ur-Rehman.

Os militantes paquistaneses do Taleban estão sendo expulsos de seus esconderijos na fronteira com o Afeganistão por uma ofensiva do Exército, e estão retaliando com atentados a bomba e ataques a alvos urbanos.

A ofensiva do Exército paquistanês está sendo seguida de perto pelos EUA e por outras potências envolvidas no Afeganistão, já que a região da fronteira se tornou um santuário para grupos insurgentes de ambos os países, assim como para militantes estrangeiros da Al Qaeda.

Mais conteúdo sobre:
Paquistão Taleban recompensa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.