Explosão mata 8 supostos militantes no Paquistão

Uma explosão em um suposto abrigo militante na cidade de Karachi, no sul do Paquistão, matou hoje oito pessoas, segundo autoridades. Fontes oficiais indicaram que aparentemente os explosivos eram estocados no local para futuro uso em ataques terroristas, mas explodiram acidentalmente.

AE, Agencia Estado

08 de janeiro de 2010 | 12h23

Todos os mortos eram supostos militantes, com idades entre 18 e 24 anos. Eles estavam na residência no distrito de Baldia, onde vive geralmente a classe trabalhadora da cidade, quando a explosão ocorreu, segundo a polícia. A área é primariamente um local onde vivem migrantes pashtuns que deixaram o noroeste paquistanês, onde há forte presença do Taleban. A explosão aumentou o temor de que os militantes planejam novos ataques em Karachi.

O chefe de polícia da cidade, Wasim Ahmed, disse que uma grande quantidade de armas e vestes suicidas foram recolhidas da casa, parcialmente demolida pela explosão. O ministro do Interior, Rehman Malik, afirmou que a residência foi alugada por pessoas do Vale do Swat, uma área a noroeste de Islamabad onde o Exército anteriormente derrotou militantes do Taleban.

Capital financeira

Karachi é a capital financeira do Paquistão, cidade onde vivem mais de 16 milhões de pessoas, incluindo um número crescente de migrantes pashtuns do noroeste. Funcionários paquistaneses e dos Estados Unidos afirmam acreditar que combatentes do Taleban em fuga das ofensivas militares contra os militantes estão entre esses migrantes.

A cidade, apesar disso, tinha sido relativamente pouco afetada pela recente onda de ataques do Taleban até o fim de dezembro, quando uma bomba matou mais de 45 pessoas, em uma concentração de muçulmanos xiitas. O Taleban é sunita, como a maioria dos 175 milhões de paquistaneses. O ataque causou vários distúrbios e levou tensão à cidade. Há rumores de que o Taleban planeja outro grande ataque em Karachi. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoexplosãomilitantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.