Explosão mata ao menos 75 e deixa mais de cem feridos no Quênia

Oleoduto cruzava favela de Nairóbi, capital do país; número de vítimas ainda deve subir

Agência Estado

12 Setembro 2011 | 14h38

Mais de cem pessoas foram levadas com queimaduras a hospitais locais

 

NAIRÓBI - A explosão de um oleoduto que cruzava uma favela na capital do Quênia deixou pelo menos 75 pessoas mortas e mais de cem feridas na manhã desta segunda-feira, 12, informou a Cruz Vermelha. Após a explosão, as chamas queimaram tudo que estava em uma área de 300 metros ao redor do duto, incinerando dezenas de pessoas. Os moradores contam que muitos barracos haviam sido construído bem em cima do duto.

 

Uma funcionária da Cruz Vermelha local, Pamela Indiaka, disse que a entidade estava providenciando sacos plásticos para guardar os corpos e que até agora 75 haviam sido recuperados. O número confirmado de mortos tende a subir.

 

"Nós já perdemos a conta do número de corpos" disse Wilfred Mbithi, policial responsável pelas operações de resgate. "Muitos moradores pularam no rio para tentar apagar as chamas", disse. A explosão ocorreu na área industrial de Lunga Lunga, na capital do Quênia, cercada pela populosa favela de Sinai.

 

"Houve um vazamento no oleoduto de combustível mais cedo e as pessoas estavam recolhendo o combustível que vazava", disse Joseph Mwego, um morador. "Então houve um grande estrondo, uma grande explosão, e fumaça e fogo."

 

Pelo menos 112 vítimas de queimaduras chegaram feridas ao Hospital Kenyatta e muitas precisavam com urgência de sangue, disse o médico Richard Lisiyampe, administrador do hospital. Muitas crianças estão entre as vítimas. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.