Explosão mata legislador anti-Síria em Beirute

O filho e dois guarda-costas de Walid Eido também estão entre os mortos

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h47

Uma explosão, aparentemente provocada por uma bomba colocada em um carro, matou nesta quarta-feira, 13, o parlamentar anti-Síria Walid Eido, seu filho e dois guarda-costas numa rua de uma praia na parte muçulmana de Beirute. O atentado, que ocorreu perto de um parque de diversões e de um clube militar no centro de Beitute, deixou pelo menos outras 10 pessoas feridas, segundo uma emissora libanesa. Junto com Eido morreram também seu filho Khaled, dois guarda-costas, dois civis que aparentemente transitavam pelo lugar e mais cinco pessoas.Imagens divulgadas na TV mostraram um carro em chamas e janelas de um restaurante próximo destruídas.Walid Eido, de 65 anos e de credo sunita, era juiz e fazia partedo grupo "Corrente Futuro", ferozmente oposto à Síria.O ataque de hoje é o último dos atentados que tiveram como alvopersonalidades anti-sírias, entre políticos, jornalistas efuncionários do governo. Nenhum grupo assumiu o atentado.O Líbano tem vivido sob tensão com confrontos entre o Exército e militantes em campos de refugiados palestinos no país. Nesta quarta, o grupo radical sunita Jund al-Sham ameaçou lançarataques no Líbano caso o governo mantenha o cerco do campo derefugiados palestinos de Nahr al-Bared, onde o Exército libanêsenfrenta o grupo radical islâmico palestino Fatah al-Islam desde odia 20 de maio."O governo libanês deve esperar o inferno dos seqüestros, os tiroteios e as decapitações caso não responda à reivindicação", diz o grupo em um comunicado cuja autenticidade não pôde ser comprovada.Matéria ampliada às 13h50.

Mais conteúdo sobre:
Walid Eidoatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.