Explosão mata militante da Jihad Islâmica e fere outros 20

O militante da Jihad Islâmica Alá al-Hesi morreu nesta segunda-feira, 19, ao detonar acidentalmente os explosivos que manipulava. O acidente deixou 20 feridos, entre eles quatro crianças, segundo fontes médicas e policiais palestinas.A explosão aconteceu na casa de Hesi, de 26 anos, que fica em um campo de refugiados. Esta é uma área densamente povoada às margens do Mediterrâneo, perto do centro de distribuição de alimentos das Nações Unidas.A Jihad Islâmica assegura que aviões israelenses sobrevoavam a área quando a explosão ocorreu. O Exército israelense, no entanto, suspendeu suas operações na Faixa de Gaza desde um cessar-fogo firmado em novembro, o qual a Jihad Islâmica não reconhece.A Jihad Islâmica continua a disparar mísseis contra Israel da Faixa de Gaza apesar do cessar-fogo, que nunca assinou.Policial ferido Por outra parte, um policial ficou ferido quando interveio em umadiscussão entre empregados da Corporação Palestina de Eletricidade e membros armados de uma família. Os funcionários da empresa elétrica estavam na casa da família para cobrar o pagamento de uma dívida na localidade de Deir el-Balah, no sul de Gaza, disseram fontes de segurança.O porta-voz militar israelense informou que um trabalhador daempresa de energia elétrica do país, que vende seus serviços agrande parte da população de Gaza, foi ferido por um franco-atirador palestino ao norte da passagem de mercadorias de Karni.Fontes palestinas diziam que o israelense ferido "é um oficial militar".Por causa do incidente, o Exército fechou a passagem de Karni,que é vital para a economia palestina, pois diariamente éatravessada por dezenas de caminhões com alimentos e diversasmercadorias, assim como com produtos palestinos de exportação.O Exército israelense deteve durante a madrugada da última segunda, 12, palestinos na Cisjordânia, separada de Gaza pelo deserto, enquanto milicianos palestinos dispararam desde a véspera cinco de seus foguetes Qassam contra localidades do sul de Israel, mas sem conseqüências.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.