Explosão na Nigéria deixa ao menos 40 mortos

Uma grande explosão em um prédio residencial de quatro andares, onde também funcionava um banco no andar térreo, matou pelo menos 40 pessoas e deixou outras dezenas de feridos no centro comercial de Lagos, capital da Nigéria.As operações de resgate foram dificultadas pelo incêndio provocado pela explosão, além da intensa circulação de pessoas nessa região de Lagos, uma cidade densamente povoada, com mais de 12 milhões de habitantes.Em meio à confusão, as autoridades não conseguiram evitar que um grupo de mais de cem pessoas saqueasse o que havia sobrado do banco Prudent. A multidão estava armada com facas e barras de ferro e entrou no banco destruído para tentar roubar o dinheiro ali depositado. Alguns homens foram vistos levando sacos com cédulas.Ao chegar ao local, a polícia teve que dar tiros para o alto para abrir caminho nas estreitas ruas, para que as equipes de resgate pudessem passar entre a multidão de curiosos. A tragédia, que aconteceu por volta das 12h30 locais (9h30 em Brasília), só não foi maior porque muitos moradores do prédio estavam na missa em uma igreja próxima.Dois edifícios vizinhos foram bastante danificados e outros no mesmo quarteirão tiveram os vidros quebrados. A explosão pôde ser ouvida a quilômetros de distância e de longe na cidade se via uma fumaça escura no céu. As autoridades não puderam calcular o número total de vítimas, assinalando temer que muitos corpos ainda estivessem sob os escombros. Mas também não foi descartada a hipótese de haver mais sobreviventes entre as ruínas do prédio.A Cruz Vermelha informou ter encontrado 30 corpos e 32 pessoas feridas, das quais 10 morreram ao dar entrada no Hospital Geral de Lagos.A polícia está investigando as possíveis causas da explosão. As autoridades não descartam a possibilidade de ter sido provocada por uma bomba, que poderia ter sido usada para abrir um acesso ao banco. Há suspeitas também de que pode ter ocorrido um curto-circuito ou mesmo uma explosão por vazamento de gás.O presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo, informou que visitaria o local da tragédia para supervisionar as equipes de resgate.A Nigéria é um dos países mais populosos da África e a concentração urbana contribui para o alto índice de tragédias. Há um ano, Lagos foi cenário de uma série de explosões num depósito do Exército, o que causou a morte de aproximadamente mil pessoas.O país também é abalado por conflitos étnico-religiosos. Pelo terceiro dia seguido, grupos rivais atearam fogo ontme a casas na cidade petrolífera de Warri, no sul. Pelo menos 12 pessoas morreram nos incidentes em Warri desde sexta-feira.

Agencia Estado,

02 de fevereiro de 2003 | 14h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.