Explosivos somem no Iraque; Kerry vê "trapalhada trágica"

Diversas toneladas de explosivos convencionais desapareceram de uma antiga instalação militar iraquiana que havia tomado parte no esforço de Saddam Hussein para construir uma bomba atômica, informa a agência de inspeções nucleares das Nações Unidas, a AIEA. O chefe da AIEA, Mohamed ElBaradei, informará oficialmente o Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o desaparecimento, disse a porta-voz Melissa Fleming. ?Em 10 de outubro, a AIEA recebeu uma declaração do Ministério da Ciência e Tecnologia do Iraque informando-nos de que aproximadamente 350 toneladas de altos explosivos desapareceram?, disse Fleming. ?A preocupação mais imediata é que esses explosivos podem ter caído em mãos erradas?. Nos EUA, a campanha do candidato de oposição à Presidência, John Kerry, disse que o governo Bush ?deve responder pelo que poderá ser o erro mais grave e catastrófico numa uma série trágica de trapalhadas no Iraque?. ?Como eles falharam em garantir a segurança... de toneladas de explosivos letais, a despeito dos alertas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)??, questionou o assessor de Kerry, Joe Lockhart. Segundo os iraquianos, o material foi saqueado por conta da falta de segurança no local, disse Fleming. Os explosivos desaparecidos incluem HMX e RDX, que podem ser usados para demolir prédios, derrubar aviões, armar ogivas de mísseis e como detonadores em armas atômicas. HMX e RDX são ingredientes dos explosivos plásticos C4 e Semtex. Em 1988, menos de meio quilo dessas substâncias destruiu o vôo 103 da PanAm sobre Lockerbie, na Escócia, matando 170 pessoas. Antes da invasão do Iraque pelos EUA, a AIEA mantinha os explosivos de ?uso duplo? do Iraque sob vigilância, porque eles poderiam ser usados em armas nucleares. Os inspetores da AIEA tiveram que deixar o país antes da invasão, em 2003, e ainda não conseguiram retornar.

Agencia Estado,

25 Outubro 2004 | 13h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.