Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Explosões de base militar albanesa deixam 7 mortos 245 feridos

Outras dez continuam desaparecidas; autoridades médicas confirmam que cinco pessoas estão em estado grave

EFE

16 de março de 2008 | 10h30

Já são sete as vítimas fatais das explosões registradas em um depósito de munição militar perto da capital da Albânia, Tirana, enquanto outras dez continuam desaparecidas, confirmou  neste domingo, 16,  o primeiro-ministro albanês, Sali Berisha. A explosão de cerca de 3.000 toneladas de munição antiga de artilharia, que explodiram em seqüência neste sábado em uma fábrica de destruição de armas situada em Gerdec, deixaram cerca de 245 feridos. "Estamos fazendo tudo o possível para encontrar os trabalhadores desaparecidos", disse Berisha durante uma visita aos feridos no hospital militar de Tirana. As autoridades médicas confirmaram que cinco feridos em estado grave, entre eles uma menina de três anos e outra de seis, foram transferidos esta manhã de avião para a Grécia. Outros quatro, com queimaduras graves e fraturas, foram levados a hospitais italianos. "O balanço pode se agravar, levando em conta o estado crítico de alguns feridos", disse o Ministro do Interior albanês, Bujar Nishani. Acrescentou que 121 trabalhadores, entre eles muitas mulheres, se encontravam no momento da explosão no depósito militar desmontando projéteis, que - segundo a imprensa - eram de produção chinesa dos anos 1960-1965. A Albânia, que pretende receber o convite para entrar naOrganização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na cúpula de Bucareste em abril, dispõe de mais de 100.000 toneladas de munição herdadas do comunismo e da Segunda Guerra Mundial. "Ainda não sabemos as causas deste acidente extremamente grave", disse o ministro da Defesa albanês, Fatmir Mediu. Cerca de 4.000 habitantes das localidades próximas foramevacuados, enquanto forças especiais da Polícia isolaram a zona e impedem o acesso dos habitantes às casas. As forças especiais do Exército e especialistas iniciaram hoje a operação de limpeza da zona, na qual pode haver possíveis projéteis não ativados. Além disso, será verificado se há mais vítimas sob os escombros da fábrica, de onde continua saindo fumaça.

Tudo o que sabemos sobre:
Albânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.