Explosões de carros-bomba matam 23 em Istambul

Explosões de carros-bomba perto de duas sinagogas em Istambul, na Turquia, deixaram pelo 23 mortos e 140 feridos neste sábado. Um grupo radical, pouco conhecido, Frente dos Cavaleiros Islâmicos do Grande Oriente, assumiu a autoria dos atentados. As autoridades turcas não descartam a possibilidade de envolvimento da Al Qaeda nos atentados. As explosões aconteceram simultaneamente às 9h30m (horário local, 5h30m de Brasília). As duas sinagogas estavam cheias no momento dos ataques. Houve correria e pânico. A polícia isolou as áreas atacadas e equipes de socorro atenderam os feridos. Sabri Yalim, o chefe do departamento de bombeiros de Istambul, disse ao canal de TV NTV que o cenário, do lado da sinagoga Neve Shalom, parcialmente destruída, parecia o de uma zona de guerra.?Havia um enorme buraco no chão. Casas e carros estavam completamente destruídos, como se um terremoto forte tivesse sacudido a área?, ele disse.As câmeras de televisão mostravam equipes carregando feridos, a maioria ensangüentada ou com rosto e braços chamuscados. A NTV focalizava carros retorcidos e uma enorme cratera em frente à Neve Shalom.A explosão ocorreu de manhã, durante as preces do sabá, cerca de 10 horas locais. Muitos dos feridos aparentam ser pessoas que vivem na vizinhança.Num telefonema para Anatólia, uma pessoa identificando-se como membro da Frente dos Cavaleiros Islâmicos do Grande Oriente, disse que o grupo era o responsável pelos ataques e prometeu mais:?Os ataques continuarão no futuro e a razão é para evitar a opressão contra o muçulmanos?, disse.A polícia já acusou o grupo, também conhecido por IBDA-C, de estar por trás de um ataque à bomba que feriu 10 pessoas, em Istambul, em 31 de dezembro de 2000, embora daquela vez ninguém assumisse a autoria.Desta vez, porém, a polícia, segundo declarações feitas à NTV, acha que o ataque foi sofisticado demais para ter sido provocado apenas pela IBDA-C. Diz que investigações recentes da inteligência indicam que a al-Qaeda poderia estar planejando atentados na Turquia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.