Explosões deixam 3 feridos em Jerusalém

Quatro bombas explodiram hoje em Jerusalém e deixaram três pessoas levemente feridas, informaram policiais e testemunhas. Duas das explosões aconteceram quase ao mesmo tempo, por volta das 8 horas (2 horas, em Brasília).O chefe da polícia de Jerusalém, Mickey Levy, acredita que as bombas foram plantadas por uma mesma equipe de militantes palestinos.De acordo com o porta-voz da polícia, Shmuel Ben-Ruby, uma mulher ficou machucada na explosão de um carro-bomba ao norte de Jerusalém. Na outra explosão, duas pessoas foram feridas quando um carro explodiu em um estaciona mento do bairro de Gilo.Durante a madrugada, duas bombas explodiram, mas não deixaram feridos. Por enquanto, nenhum grupo assumiu a autoria dos atentados, mas o bairro de Gilo é alvo de constantes ataques por atiradores palestinos. Na semana passada, o Exército de Israel invadiu o vilarejo palestino de Beit Jala, vizinho ao bairro de Gilo, para tentar conter os tiroteios. A invasão, porém, aumentou as tensões entre palestinos e israelenses e foi duramente criticada pela comunidade internacional.TiroteiosEm outro caso de violência registrado durante a madrugada, um israelense foi baleado e gravemente ferido durante um ataque próximo à cidade de Hebron, na Cisjordânia. De acordo com o Exército de Israel, o colono judeu Ron Shechner estava indo para sua casa, no assentamento de Yatir, quando seu carro foi emboscado e baleado por militantes palestinos.EncontroO primeiro-ministro de Israel, Shimon Peres, disse que a data e o local para um encontro com o líder palestino Yasser Arafat ainda não foi definida.Em entrevista a uma rádio israelense hoje, Peres não descartou a hipóteses de conversar com Arafat em uma conferência na Itália, para a qual ambos foram convidados. O encontro pode acontecer nesta semana.Peres espera chegar a um cessar-fogo durante a reunião. "Essa é minha esperança. Eu acredito que Arafat também precisa disso. Este levante não está rendendo muitos frutos. Ao contrário, está provocando mais e mais fatalidades, infelizmente", disse Peres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.