Explosões deixam seis mortos e nove feridos no Paquistão

Seis integrantes de uma unidade antiterrorismo morreram e outros nove ficaram feridos num ataque com bombas contra um centro de treinamento policial no sudoeste do Paquistão nesta quinta-feira. O ataque, reivindicado por um grupo militante tribal, foi o mais sangrento das últimas semanas no Baluchistão, uma grande província onde militantes tribais estão lutando para conseguir mais autonomia e maiores royalties pelos recursos extraídos do território.Cinco bombas, detonadas em série, foram escondidas em uma ala da academia, que fica em Quetta, capital da província. Nas áreas atingidas crateras e pedaços de corpos podiam ser vistos no local. As bombas foram feitas a partir de minas terrestres, segundo investigações.Quatro dos nove feridos estavam em estado grave e foram atendidos em um hospital civil local. Dois homens que estavam perto do local do crime foram detidos para averiguação, informou o oficial Wazir Nasar, chefe da polícia local.Por meio de um telefonema à imprensa, a organização Exército de Libertação do Baluchistão assumiu a responsabilidade do atentado.Também nesta quinta-feira, militantes pró-Taleban decapitaram um homem em uma região do Paquistão próxima à fronteira com o Afeganistão, depois de acusá-lo de espionar para os Estados Unidos, informaram fontes locais.O corpo do homem foi encontrado em um vilarejo perto de Khar, na região tribal de Bajur, situada a cerca de 200 quilômetros de Miran, no Norte Waziristan, onde acredita-se estejam escondidos muitos remanescentes da Al-Qaeda e do Taleban.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.