Lillian Suwanrumpha / AFP
Lillian Suwanrumpha / AFP

Explosões deixam quatro feridos em Bangcoc, que recebe chanceleres em encontro de segurança

Capital da Tailândia é sede de reunião de ministros de Relações Exteriores da Associação de Nações do Sudeste Asiático

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2019 | 04h22

BANGCOC - Ao menos quatro pessoas ficaram feridas na explosão de seis bombas nesta sexta-feira, 2, em Bangcoc, mesmo dia em que a capital tailandesa recebe a reunião de ministros das Relações Exteriores da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), com a presença dos chanceleres americano, russo e chinês.

Segundo o governo, o primeiro-ministro tailandês, Prayut Chan-O-Cha, foi informado de uma série de "atentados com bomba e ordenou uma investigação imediata". O porta-voz do governo, Narumon Pinyosinwat, disse ainda que "as medidas de segurança estão sendo reforçadas".

Quatro pessoas ficaram feridas, afirmou o Centro Médico Erawan, acrescentando que "nenhum dos casos é sério e todos estão recebendo atendimento médico em hospitais".

O coronel da polícia, Kamtorn Uicharoen, afirmou que três bombas explodiram no complexo do governo em Chaeng Wattana e uma delas não explodiu. Duas outras explodiram na área de Chong Nonsi. “As bombas nessas duas áreas foram dispositivos explosivos improvisados ​​acionados pelo timer”, afirmou. Uma "bomba de pingue-pongue" explodiu na área de Suan Luang, completou.

Em 2009, a cúpula da Asean na Tailândia foi cancelada após a entrada de centenas de manifestantes do movimento dos "camisas vermelhas" no hotel ocorria o encontro, no balneário de Pattaya. Vários líderes saíram de helicópteros do Exército tailandês, enquanto outros usaram barcos. / AFP e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândia [Ásia]Bangcocbomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.