Explosões matam 11 e ferem mais de 30 no Paquistão

Duas explosões ocorridas hoje perto de um complexo da polícia na cidade de Bannu, no noroeste do Paquistão, mataram pelo menos 11 pessoas e deixaram mais de 30 feridos, incluindo o chefe da polícia local, informaram autoridades. O atentado é uma mostra das ameaças à segurança nas regiões paquistanesas perto da fronteira com o Afeganistão. O risco existe apesar de recentes ofensivas do Exército do Paquistão e dos ataques com mísseis realizados pelos Estados Unidos contra combatentes da Al-Qaeda e do Taleban na região.

AE-AP, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 13h55

A segunda explosão ocorreu enquanto os encarregados do resgate respondiam ao primeiro atentado. Essa tática já foi usada anteriormente, mas não é comum. Os militantes realizaram vários ataques contra as forças de segurança nos últimos anos, como forma de minar a confiança pública em um governo já fraco. Ontem, um suicida matou dez policiais, seis civis e um paramilitar na região tribal de Passo Khyber.

Nenhum grupo reivindicou os atentados. O principal suspeito no caso é o Taleban no Paquistão. As explosões ocorrem no momento em que há incerteza sobre se o comandante da organização no país, Hakimullah Mehsud, morreu dos ferimentos causados por um ataque com míssil disparado pelos EUA no meio de janeiro. O Taleban nega a morte, mas não comprovou que Mehsud está vivo.

Uma luta pelo poder na sucessão pode temporariamente enfraquecer o Taleban no Paquistão, mas dificilmente vai atrapalhar sua capacidade de realizar ataques mortíferos. Os militares paquistaneses têm enfrentado o grupo militante em seu principal bastião, o Waziristão do Sul, há meses. Autoridades acreditam que boa parte da infraestrutura do grupo foi prejudicada por essa incursão militar, mas muitos militantes aparentemente fugiram para outras áreas do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.