Explosões matam 22 pessoas em ônibus do Sri Lanka

Duas explosões em dois ônibus do SriLanka mataram pelo menos 22 pessoas na sexta-feira, segundo asautoridades. Os transportes públicos do país vêm sofrendo umasérie de ataques atribuídos a separatistas da etnia tâmil. O primeiro atentado, durante a hora do rush da manhã, foiprovocado por uma bomba deixada numa calçada, matando 20pessoas e ferindo 64 que estavam num ônibus lotado, em Colombo,a capital, segundo militares. Mais tarde, uma outra explosão atingiu um ônibus emPolgolla, no centro da ilha, matando pelo menos mais 2 pessoase ferindo 20 outras, de acordo com a polícia. O governo atribuiu o atentado de Colombo à guerrilha Tigresda Libertação do Tâmil-Eelam (TLTE). Os ataques atribuídos aesse grupo cresceram desde que o Exército começou uma novaofensiva contra os territórios dos rebeldes, no norte e lestedo Sri Lanka. Na quarta-feira, os militares já haviam responsabilizado osseparatistas por uma explosão numa ferrovia que deixou 27 civisferidos em Colombo. O TLTE ainda não se manifestou, mas em geral rejeita oenvolvimento nesse tipo de ataque. O presidente Mahinda Rajapaksa pediu calma à população."Continuem vigilantes contra as forças do terror e continuemassistindo a polícia e as forças de segurança na tarefa deerradicar o terrorismo do nosso país", disse ele em nota. Mais de 70 mil pessoas já foram mortas em 25 anos de guerracivil no Sri Lanka. Uma testemunha disse à Reuters que o ônibus atingido emColombo estava cravejado por estilhaços e que havia muitosangue e destroços na rua. "Eu estava a caminho do trabalho e de repente houve umaviolenta explosão e vi as pessoas gritando, ensangüentadas",disse a funcionária hoteleira Aruna Wickramarachchi, de 45anos. Uma fonte da unidade antibombas da polícia disse, sobanonimato, que o artefato foi detonado por controle remoto. (Reportagem adicional de Anuruddha Lokuhapuarachchi eShihar Aneez)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.