Efe
Efe

Explosões matam ao menos 11 pessoas na Índia

Duas bicicletas-bomba explodiram em área movimentada da cidade de Hyderabad; ao menos 50 foram feridos

AE, Agência Estado

21 de fevereiro de 2013 | 13h09

Pelo menos 11 pessoas morreram e 50 ficaram feridas nas explosões de duas bicicletas-bomba ocorridas nesta quinta-feira, 21, em uma área movimentada da cidade de Hyderabad, disse um alto funcionário do governo indiano.

Sushilkumar Shinde, ministro de Interior da Índia, disse que as duas bombas estavam presas a bicicletas posicionadas a apenas 150 metros de distância uma da outra. As explosões ocorreram num intervalo de apenas dois minutos, e não de dez, como foi informado anteriormente por autoridades locais.

Os alvos foram uma sala de cinema e um ponto de ônibus no bairro de Dilkush Nagar, prosseguiu Shinde, que conversou com jornalistas em Nova Délhi, a capital indiana.

O secretário de Interior da Índia, R. K. Singh, disse que a Agência Nacional de Investigação despachou comandos da Guarda Nacional para Hyderabad, capital do Estado de Andhra Pradesh, sul da Índia. Imagens exibidas pela televisão local mostravam o resgate aos feridos.

A polícia isolou o perímetro e era possível observar pessoas correndo desesperadas logo depois das explosões. "Este ataque covarde não passará impune", assegurou o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh. Ele pediu à população que mantenha a calma.

A Índia não era alvo de um atentado desse porte desde setembro de 2011, quando uma explosão na frente de um tribunal em Nova Délhi deixou 13 mortos.

A Índia encontra-se em estado de alerta há duas semanas, desde que Mohammed Afzal Guru, condenado por envolvimento em um ataque contra o Parlamento que em 2001 causou a morte de 14 pessoas, foi enforcado na prisão. Grande parte da população da porção indiana da Caxemira acredita que Guru não recebeu um julgamento justo. O segredo no qual foi envolta a execução de Guru também causou revolta na região.

As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiaexplosõesHyderabad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.