Explosões matam pelo menos 8 em 24 horas no Afeganistão

São frequentes os confrontos entre os insurgentes e tropas afegãs e estrangeiras no distrito de Bala Buluk

Efe,

29 de junho de 2010 | 06h03

CABUL - Quatro civis e quatro policiais morreram em três explosões de artefatos nas últimas 24 horas nas províncias afegãs de Kandahar (sul) e Farah (oeste), informam nesta terça-feira, 29, diferentes fontes oficiais.

A mais recente explosão, de uma mina, aconteceu às 8h locais (0h30 em Brasília) no distrito de Khakrez em Kandahar, e causou a morte de dois civis, disse à agência afegã AIP o porta-voz do governador da província, Zalmay Ayubi.

A mina afetou uma caminhonete na região de Sozal e, como consequência, dois dos ocupantes do veículo morreram e outros dois ficaram feridos, acrescentou o porta-voz, que atribuiu o ataque a insurgentes talebans.

Em outro fato, quatro policiais faleceram no domingo pela explosão de uma bomba durante passagem de seu veículo no distrito de Bala Buluk, na província ocidental de Farah, explicou à AIP o porta-voz policial da zona, Abdur Rauf Ahmadi.

Segundo Ahmadi, reforços policiais que se deslocaram ao local mataram dois supostos talebans e detiveram outros dois, embora o movimento insurgente não tenha requisitado por enquanto a autoria do ataque.

Nesse mesmo distrito, onde são frequentes os confrontos entre os insurgentes e as tropas afegãs e estrangeiras, dois civis morreram na segunda-feira pela explosão de uma mina durante a passagem da motocicleta onde estavam.

A bomba explodiu na zona de Ganjabad, e Ahmadi mais uma vez acusou os talebans, que também não requisitaram a autoria. As minas e as bombas de fabricação caseira são alguns dos métodos favoritos dos insurgentes talebans para atacar as tropas internacionais desdobradas no Afeganistão, embora costumem causar baixas entre a população civil.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão, explosões, atentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.