Explosões na capital da Uganda deixam ao menos 64 mortos

Ataques ocorreram em restaurante e em clube durante a transmissão da final da Copa

Agência Estado

12 de julho de 2010 | 00h51

 

KAMPALA - Subiu para pelo menos 64 o número de mortos nas duas explosões ocorridas em Kampala, a capital de Uganda, na noite do domingo, 11, no horário local (final da tarde no horário de Brasília), enquanto várias pessoas assistiam à final da Copa do Mundo da África do Sul pela TV.

 

Uma porta-voz da embaixada americana em Kampala, Joann Lockard, informou que ao menos três americanos - que faziam parte de um grupo religioso da Pensilvânia - ficaram feridos e um outro morreu nos atentados.

 

O chefe da polícia local, Kale Kaihura, afirmou acreditar que a milícia mais temida da Somália - Al-Shabab, que jurou lealdade à Al-Qaeda - pode estar por trás dos ataques. Esta milícia vê a Etiópia como inimiga.

 

Uma das bombas explodiu em um restaurante etíope em Kampala. A segunda explosão ocorreu em outro restaurante chamado "Kyadondo Rugby Club". Se as suspeitas de envolvimento do grupo Al-Shabab forem confirmadas, será a primeira vez que a milícia terá atuado fora do território da Somália. Segundo dados da polícia, nas cenas das duas explosões o cenário era de cadeiras reviradas e muito sangue pelo chão.

Tudo o que sabemos sobre:
explosõesmortesUgandaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.