Explosões no Paquistão deixam 15 mortos e vários feridos

Há três semanas, o presidente Pervez Musharraf, declarou o estado de exceção no país

EFE

24 de novembro de 2007 | 06h00

Pelo menos 15 pessoas morreram e várias ficaram feridas em dois atentados suicidas na cidade de Rawalpindi, perto de Islamabad, onde ficam os quartéis-generais do Exército do Paquistão. Em um dos atentados, um suicida lançou um carro carregado de explosivos contra um ônibus que transportava pessoal do Ministério da Defesa, disse o porta-voz do Exército, Waheed Arshad. Morreram pelo menos 14 pessoas. As autoridades temem que o número de mortos aumente, já que a explosão foi tão forte que destruiu o ônibus. A área dos atentados foi isolada e os feridos foram levados a um hospital local, segundo a rede privada "Geo TV". O alvo do primeiro atentado havia sido um posto de controle nas imediações do Escritório dos Quartéis-Generais do Exército. O suicida detonou os explosivos que levava consigo no momento em que dois militares pediram que ele parasse seu carro. A explosão causou a morte de um dos soldados, informou a rede privada "Geo TV". Há três semanas, o presidente paquistanês general Pervez Musharraf, declarou o estado de exceção no país, alegando o aumento da violência extremista e a suposta ingerência dos juízes na política do Governo.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoMusharraf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.