Explosões precedem chegada de Powell à Arábia Saudita

Na véspera da chegada do secretário de Estado americano, Colin Powell, à Arábia Saudita, pelo menos três grandes explosões, aparentemente provocadas por carros-bomba, atingiram nesta segunda-feira o conjunto de moradias Al-Hanra, na zona leste de Riad, a capital do país, habitado exclusivamente por estrangeiros, entre os quais americanos, ferindo várias pessoas.Momentos depois, uma quarta explosão atingiu as instalações de uma empresa americana. Fontes do Ministério do Interior saudita, que falaram sob condição de anonimato, não deram detalhes nem identificaram as vítimas. Mas prometeram um amplo comunicado oficial "no momento oportuno".Um funcionário do Departamento de Estado dos EUA disse não acreditar na existência de americanos entre as vítimas. "Até onde sabemos, não existe nenhum oficial militar americano morando nesse complexo com a família", disse o funcionário, pedindo, como as fontes sauditas, para não ser identificado.Testemunhas disseram que uma das explosões provocou grande incêndio no conjunto habitacional, às margens da rodovia que liga o centro da cidade ao aeroporto. Acrescentaram que centenas de policiais, soldados, ambulâncias e carros do corpo de bombeiros rumaram rapidamente para o local.Moradores sauditas de Gharnata, um bairro próximo, disseram ter ouvido uma explosão nas instalações da Venyl, uma empresa americana, cujos técnicos instruem cadetes da Guarda Nacional saudita, comandada pelo príncipe herdeiro Abdala ben-Abdel Aziz. As testemunhas viram espessos rolos de fumaça saindo da região.O incidente ocorreu poucas horas depois que o Departamento de Estado dos EUA lançou uma advertência aos cidadãos americanos para que não viajassem à Arábia Saudita em conseqüência dos sérios riscos de atentados. O secretário de Estado, Colin Powell, busca apoio dos governos árabes para o novo plano de paz para o Oriente Médio, patrocinado por EUA, Rússia, União Européia e ONU. Nesta segunda-feira ele estava em Amã, na Jordânia, e não se sabia se manteria a ida a Riad.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.