Explosões sem vítimas precedem manifestação na Tailândia

Líderes da Aliança do Povo para a Democracia exigem a renúncia do governo do primeiro-ministro

Efe,

24 de novembro de 2008 | 02h27

Quatro artefatos explodiram na madrugada desta segunda-feira, 24, em Bangcoc sem causar vítimas, horas antes que os líderes da Aliança do Povo para a Democracia (APD) marchem em direção ao Parlamento da Tailândia para exigir a renúncia do governo do primeiro-ministro, Somchai Wongsawat. Enquanto isso, os milhares de ativistas que ocupam a sede do Governo desde o agosto se preparavam para o que qualificaram como "a última batalha" contra o Executivo. Um dos líderes da APD e ex-governador da capital, Chamlong Srimuang, assegurou no sábado que os manifestantes deixarão os protestos iniciados em maio se não conseguirem derrubar o governo após a manifestação. Às 6h30 (21h30 de Brasília de domingo), o próprio Srimuang e Sonthi Limthongkul pediram aos manifestantes concentrados na sede do governo, que no domingo somavam dezenas de milhares, que se preparassem para começar a marchar em breve em direção à sede do Parlamento. A Tailândia vive imersa em uma crise política após as eleições do dia 23 de dezembro de 2007.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândiaexplosãomanifestação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.